Há quatro meses, exatamente contra o Bragantino, próximo adversário do Atlético, começava a Era Everson no Galo. Sem poder contar com Rafael, expulso no duelo anterior, com o Santos, o clube mineiro agiu rápido nos bastidores e contratou o arqueiro paulista, ex-atleta do Peixe e que viria a ser o preferido de Jorge Sampaoli para jogar debaixo das traves alvinegras.

A trajetória de Everson no Atlético começou positiva, com o triunfo por 2 a 1 em cima da equipe de Bragança Paulista, no Mineirão. O Galo abriu o placar com Réver aos 29 minutos do primeiro tempo, sofreu o empate aos 3 do segundo, com Alerrandro, e anotou o tento da vitória com Savarino aos 42 também da etapa final.

De lá para cá, o goleiro passou a conviver com altos e baixos e, gradativamente, passou a ser contestado por grande parte da torcida atleticana, que chegou a fazer uma campanha intitulada “Volta, Rafael” nas redes sociais.

No entanto, Jorge Sampaoli bancou a permanência de Everson, ausente apenas de duas partidas depois de ter virado o titular. Infectado pela Covid-19, ele ficou fora do empate em 2 a 2 com o Ceará e os 2 a 1 para cima do Botafogo, nos dias 22 e 25 de novembro, respectivamente.

Novamente apto, e desta vez com Rafael com Covid, o goleiro paulista retomou a titularidade nos 2 a 2 com o Internacional, em 6 de dezembro.

No total, Everson esteve presente em 17 partidas e sofreu 23 gols com a camisa preta e branca. Com ele no gol, o Galo venceu nove partidas, empatou três e perdeu cinco.

O reencontro com o Bragantino acontece quase quatro meses depois de sua estreia, nesta segunda-feira (11), às 20h, no Nabi Abi Chedid.

Atlético