“Amar, amei. Gostar, gostei. Agora eu não quero nem de graça”. Verso da letra de um funk de autoria do MC Don Juan, e que caracteriza muito bem o sentimento atual do torcedor do Cruzeiro pelo uruguaio Arrascaeta. 

Vendido ao Flamengo anteontem, o camisa 10 deixou o clube celeste pela porta dos fundos, após sequer se apresentar para o início da pré-temporada e forçar sua saída. Apesar disso e da mágoa causada na torcida, o jogador rendeu uma fortuna nunca vista pela Raposa em uma negociação. 

Chamado nas redes sociais de Judas, comparado ao apóstolo que traiu Jesus Cristo, Arrascaeta renderá aos cofres celestes R$ 55,2 milhões. O Cruzeiro ficará com a maior parte do dinheiro, oriundo de 50% dos direitos econômicos do jogador. E a quantia será usada para quitar cerca de R$ 20 milhões em dívidas e R$ 6 milhões com o parceiro, Supermercados BH, que em 2015 investiu a quantia para ajudar a Raposa na contratação do uruguaio.

A venda de Arrascaeta ao Flamengo mostra o poderio de um clube grande, mas de histórico financeiro problemático. E que desde 2013 muda o seu patamar por colocar as contas em dia. 

Destino da Bolada

A transferência do uruguaio se tornou a maior do futebol nacional (veja abaixo) e dará ao Cruzeiro a possibilidade de quitar algumas dívidas antigas, dentre essas a que tem com dois clubes uruguaios, o Defensor e o Atlas. Débitos que são cobrados na Fifa. 

A diretoria celeste espera também contratar um substituto que possa suprir a lacuna. O nome do meia Rodriguinho, do Pyramids, do Egito, é uma das possibilidades. Uma eventual troca com o Santos também não é descartada, caso o Peixe não negocie Bruno Henrique com o Milionário Flamengo. 

“Temos um elenco muito forte, com substitutos à altura. Desejo sorte a ele, mas o Arrascaeta se foi e o Cruzeiro continua sendo grandioso. Não é porque um jogador sai que o elenco vai ficar mais fraco”, comentou o lateral Egídio.

Arrascaeta