O Cruzeiro informou, na tarde desta terça-feira (30), que foi absolvido em processo que tramita no Tribunal Arbitral do Esporte  (TAS), envolvendo o atacante Rony, atualmente no Palmeiras.

Em 2020, o clube estrelado foi incluído como réu no procedimento perante o TAS, no qual o Albirex Niigata pediu uma indenização de 10 milhões de dólares (R$57 milhões) e a aplicação de sanções disciplinares, por quebra de contrato por parte do jogador.

Com a ação na Fifa, em primeira instância, já em trâmite, o atacante chegou a ser suspenso por quatro meses pela entidade máxima de futebol, após a argumentação do Albirex de que o atleta não cumpriu o contrato de compra supostamente acordado ter sido aceita.

No caso do Cruzeiro, que teve Rony brevemente em seu elenco, em 2005, essas punições poderiam representar o banimento de registro de novos atletas - transfer ban - por até duas janelas de transferências.

De acordo com a Raposa, uma audiência internacional foi realizada nos dias 18 e 19 de março, conduzida por um painel de três julgadores (um inglês, um italiano e um português). Após a análise dos profissionais do painel, a Raposa foi comunicada na semana passada sobre sua total absolvição no caso e não precisará pagar nenhum valor e nem ter que cumprir qualquer sanção.

Outras partes envolvidas, o Atlhetico-PR, clube que o jogador defendeu ao voltar do Japão, e o próprio Rony foram punidos com o pagamento de uma multa.