Do treinador ao lateral-esquerdo, chegando à diretoria. A legião de ex-funcionários do América contratados pelo Cruzeiro em 2020 é grande. Ao todo, seis profissionais que estavam no Coelho, ou que lá trabalharam recentemente, foram para o clube estrelado neste ano.

O último deles foi Daniel Hott, que nos últimos três anos trabalhou como gerente de Comunicação e Marketing no alviverde, e agora vai trabalhar na área digital do clube, dentro do departamento de marketing. 

Hott se despediu do Coelho na semana passada e agora cumpre as últimas etapas do processo admissional para começar a trabalhar no clube celeste. 

Diretoria 

O primeiro da lista a chegar ao Cruzeiro foi Ricardo Drubscky, contratado no final de 2019 para exercer o cargo de diretor de base da Raposa. Drubscky chegou para o lugar de Amarildo Ribeiro, homem de confiança do ex-vice presidente de futebol Itair Machado, indiciado pela Polícia Civil por uma série de crimes praticados durante sua gestão no clube estrelado. 

Em março, Ricardo foi promovido ao cargo de diretor de futebol, substituindo Ocimar Bolicenho, demitido pelos resultados ruins no Campeonato Mineiro e na Copa do Brasil. 

Desprestigiado desde a chegada de Deivid ao Cruzeiro e pressionado pelo mau momento da equipe celeste na Série B, o dirigente acertou a saída do clube no dia 1º de outubro. 

Drubscky trabalhou no América entre janeiro de 2017 e dezembro de 2018, também como diretor de futebol. No Coelho, o dirigente foi um dos principais responsáveis pela montagem do elenco que se sagraria campeão da Série B em 2017.

A convite de Ricardo Drubscky, Luiz Kriwat, então gerente de futebol do América, deixou o CT Lanna Drumond rumo à Toca II em janeiro para exercer a função de gerente de futebol de base no Cruzeiro. 

Da diretoria do Coelho chegou também Paulo Assis, contratado pela Raposa em julho, para ocupar o cargo de diretor executivo administrativo. Hoje, Assis é o diretor de operações do clube. 

Cruzeiro

Futebol 

Campeão da Série B em 2017 pelo América, clube que deixou em junho do ano seguinte, o técnico Enderson Moreira chegou ao Cruzeiro em março, para reeditar a dobradinha vencedora com Drubscky, 

Entretanto, apesar do início promissor, com seis vitórias consecutivas na temporada, o comandante não resistiu aos resultados ruins na Série B e foi demitido no dia 8 de setembro. 

Durante sua passagem pela Toca II, Enderson indicou a chegada do lateral-esquerdo Giovanni, com quem trabalhou durante sua passagem pelo América. 

Titular com Moreira, o lateral caiu de rendimento, assim como a maior parte da equipe, e chegou até a ser colocado fora dos planos pelo próprio Enderson. 

Dias depois, Giovanni foi reintegrado por Ney Franco, chegou a atuar recentemente em função da ausência do titular Matheus Pereira , que se recupera da Covid-19. 

Mesmo com a nova oportunidade, o lateral não teve boa atuação quando foi acionado, sendo um dos mais cobrados pela torcida celeste, em meio à grave crise técnica que o time atravessa.  

Lisca 

Por fim, a lista poderia ter sido ainda maior caso o técnico Lisca tivesse aceitado o convite do Cruzeiro para substituir Ney Franco, demitido no último domingo, após o empate em 0 a 0 da Raposa com o Oeste, lanterna da Série B. 

Preferido de boa parte da diretoria celeste, o treinador agradeceu o chamado, mas preferiu permanecer no Coelho, onde realiza um bom trabalho, com o time no G-4 da Série B e nas oitavas de final da Copa do Brasil.