Há exato um mês, o Cruzeiro era derrotado pelo América, por 3 a 1, no Independência, e eliminado nas semifinais do Campeonato Mineiro. Mas apesar da desclassificação, o discurso era de evolução, visando à Série B do Brasileiro e tentando chegar o mais longe possível na Copa do Brasil. Só que, de lá para cá, a Raposa entrou em um turbilhão de problemas, que aumenta ainda mais a pressão sobre o time para o duelo desta quarta-feira (9), às 19h, ante a Juazeirense, no Adauto Moraes, valendo vaga nas oitavas de final da competição mata-mata e mais R$ 2,7 milhões de premiação.

Fracassos e dúvidas

Nos três jogos posteriores à sua participação no Estadual, a Raposa não convenceu seu torcedor e acumulou alguns capítulos a seu período de crise. A saída do diretor de futebol André Mazzuco, que acertou sua ida para o Santos, às vésperas da estreia dos celestes na Segunda Divisão, foi uma das baixas.

A derrota para o Confiança, por 3 a 1, pela primeira rodada do torneio por pontos corridos, em um confronto no qual o goleiro Fábio e o volante Adriano haviam sido expulsos, acabou sendo outro banho de água fria. Um embate atípico, é verdade. Porém, que antecederia outras situações negativas.

No desafio seguinte, já pela partida de ida da terceira fase da Copa do Brasil, o Cruzeiro venceu a Juazeirense, por 1 a 0, no Mineirão. No entanto, ficou aquela sensação de que está faltando um “algo a mais”. Não apenas pelo triunfo magro, mas sobretudo por conta da performance morna da equipe estrelada.

Os piores momentos ainda estavam por vir. Além da contratação do diretor Rodrigo Pastana, ex-CSA e que se tornou alvo da ira da torcida celeste antes mesmo de chegar ao clube, a Raposa perdeu para o CRB, no Gigante da Pampulha, por 4 a 3, num duelo marcado pela reclamação de Sóbis, ao ser substituído por Felipe Conceição, e erros individuais e coletivos do sistema defensivo cruzeirense.

Some-se ao prejuízo desportivo o fato de que a agremiação segue com salários atrasados a funcionários e atletas.

Solução?

Diante desse quadro negativo, o Cruzeiro não apenas persegue a classificação para as oitavas de final da Copa do Brasil, como também anseia iniciar um ciclo positivo nesta temporada que vem sendo tão difícil. Estão em jogo a premiação de R$ 2,7 milhões a quem obter uma vaga na próxima fase do torneio e a busca por um ambiente mais leve na Toca.

(Com Lohanna Lima)

A FICHA DO JOGO

JUAZEIRENSE
Rodrigo Calaça; Guilherme Lucena, Mineiro, Eduardo e Martín Rivas; Waguinho, Sapé e Patrik; Kesley, Clebson (Waldir) e Nino Guerreiro. Técnico Daniel Rabello  

CRUZEIRO
Fábio; Cáceres, Ramon, Weverton e Matheus Pereira; Adriano (Matheus Neris) e Rômulo; Rafael Sobis, Bruno José, Airton e Bissoli. Técnico: Felipe Conceição

DATA: 9 de junho de 2021 (quarta-feira)
HORÁRIO: 19h
ESTÁDIO: Adauto Moraes
CIDADE: Juazeiro (BA)  
MOTIVO: Jogo da volta da terceira fase da Copa do Brasil 
ARBITRAGEM: Rodrigo Carvalhães de Miranda, auxiliado por Thiago Henrique Neto Corrêa Farinha e Thiago Rosa de Oliveira, todos do Rio de Janeiro  
TRANSMISSÃO: SporTV e Premiere

Cruzeiro

Felipe Conceição está invicto com o Cruzeiro na Copa do Brasil: duas vitórias e um empate