O Cruzeiro não teve dificuldades para vencer o Tupi por 3 a 0, neste sábado (16), no estádio Mário Helênio, em Juiz de Fora, na Zona da Mata. O placar decretou o rebaixamento do adversário, que tem 4 pontos e nenhuma vitória no Campeonato Mineiro, e botou pressão sobre Atlético e América, que fazem o clássico do fim de semana pela penúltima rodada do Estadual.

Com o resultado, o time de Mano Menezes também manteve a invencibilidade na temporada e chegou aos 22 pontos, o mesmo que o líder Galo, que contabiliza uma vitória a mais. O Coelho caiu para terceiro, com 21 pontos. 

Na rodada final da fase classificatória, o time celeste enfrenta a Caldense, quarta-feira, no Mineirão. Se der empate ou vitória americana no clássico deste domingo, os comandados de Mano mantêm a chance de terminar a etapa como líderes.

Mais que a vísivel superioridade técnica dos cruzeirenses, a desorganização e o desespero do Tupi foram determinantes para a construção do placar pela Raposa no primeiro tempo. Logo aos 2 minutos, Robinho lançou a bola alta na área, buscando Fred, e o zagueiro Aislan cabeceou contra a própria meta, tirando Vilar do lance: 1 a 0, contra.

Pouco depois, com o Galo Carijó ainda sob impacto do desastre inicial, Rodriguinho avançou livre e cruzou para Rafinha, que chutou torto e desperdiçou o segundo gol.

PÊNALTI

A partida seguiu em ritmo de treino para os cruzeirenses, pouco agredidos, com toques de bola mais precisos e domínio do meio de campo. 
Aos 19 minutos, começou a trama que levou à ampliação do placar. Em bola novamente enfiada na área, o zagueiro Guilherme tentou afastar o perigo, fazendo a cobertura do avanço do volante Henrique, mas acabou metendo a mão na bola: pênalti incontestável.

Fred bateu no canto esquerdo do goleiro do Tupi, fez 2 a 0 e chegou ao quinto gol no Estadual, ingualando-se na artilharia da competição a Ricardo Oliveira e Alerrandro, do Atlético, e a Gustavo Henrique, do Boa Esporte.

A equipe de Juiz de Fora tentou reagir, mesmo de forma desordenada, e chegou a levar perigo ao gol de Fábio. As principais ameaças vieram de Romarinho, filho do craque da Seleção nos anos 90, que acompanhou o herdeiro no estádio. O atacante testou o arqueiro celeste com dois bons chutes de fora da área. 

Na etapa final,  Marquinhos Gabriel, que substituíra Rafinha, machucado, ainda no primeiro tempo, fez boas jogadas nos minutos iniciais. Primeiro, livrou-se do marcador, no bico da área, e chutou bem, forçando Vilar a fazer grande defesa.

Seis minutos depois, ele desceu em velocidade pela esquerda e, depois de dar belo drible em Pablo, cruzou rasteiro para Fred na pequena área. O centroavante tocou de letra, mas a bola acertou a trave. Por pouco, não houve um gol de placa em Juiz de Fora.

O Cruzeiro continuou mais agudo na frente, tanto que Fred chegou a fazer outros dois gols, bem anulados pela auxiliar Helen Araújo. O terceiro, contudo, saiu aos 37 minutos, em belíssima cobrança de falta de Egídio, de perto da linha da área. Egídio, aliás, estava pendurado, assim como Dedé, e ambos forçaram o terceiro cartão amarelo. Devem dar lugar a Fabrício Bruno e Dodô contra a Caldense, na quarta-feira.

FICHA DO JOGO

TUPI 0 X 3 CRUZEIRO

TUPI
Vilar, Pablo (Fábio Henrique), Aislan, Guilherme Henrique e Claiton (Washington); Lucas Sampaio, Leandro Brasília e Baiano (Nélio); Romarinho, Gabriel Tchó Tchó e Gabriel Costa. 
Técnico: Beto Souza

CRUZEIRO
Fábio; Edílson, Dedé, Léo e Egídio; Henrique, Lucas Romero; Robinho (David), Rodriguinho (Jadson) e Rafinha (Marquinhos Gabriel); Fred. 
Técnico: Mano Menezes

CARTÕES AMARELOS: Leandro Brasília, Aislan; Egídio, Dedé, Henrique.
ARBITRAGEM: Jeferson Antônio da Costa, auxiliado por Márcio Eustáqui Santiago e Helen A. Araújo.
RENDA: Não informada.
PÚBLICO: Não informado.