Foi no sufoco, mas deu certo. Bicampeão do torneio mais importante do continente, o Cruzeiro segue vivo na edição 2018 e agora terá pela frente as quartas de final. Após derrotar o Flamengo, por 2 a 0, no jogo de ida, nesta quarta-feira (29) a Raposa levou um susto no Mineirão, perdeu por 1 a 0, mas manteve vivo o sonho do tricampeonato.

Com apoio total do torcedor, que lotou as cadeiras do Mineirão, o time comandado por Mano Menezes segurou o adversário carioca até os 24 minutos da segunda etapa, quando foi surpreendido com o gol do zagueiro Léo Duarte, que balançou as redes usando a cabeça.

Na próxima fase, os mineiros aguardam o duelo final entre Boca Juniors, da Argentina, e Libertad, do Paraguai, que se enfrentam nesta quinta (30). No primeiro jogo, os xeneises venceram por 2 a 0 e agora definem o futuro fora de casa.

"Graças a Deus conseguimos a vitória. Ela foi importante e a classificação também. Seguimos fortes. Um jogo em que tivemos muitas oportunidades desperdiçadas, mas estamos de parabéns. Se não desse na técnica, iríamos na raça. Colocamos o coração na ponta da chuteira. Parabéns ao nosso torcedor que nos incentivou o tempo todo", destacou o zagueiro Dedé.

O Jogo

Recepcionado por um mar de gente na área externa do estádio, o elenco celeste sentiu de cara como seria a vibração na parte interna. Com show de luzes e cantando alto, a torcida fez sua parte e ajudou a equipe a ratificar a classificação na Libertadores.

Aos 21 minutos, o argentino Hernán Barcos desperdiçou grande chance de abrir o placar e encaminhar com mais tranquilidade a classificação. Contudo, num lance inacreditável, acabou se embolando ao chutar a bola, que acabou passando ao lado da trave direita do arqueiro Diego Alves.

A reposta do Flamengo veio no minuto seguinte. Diego chutou, mas Fábio espalmou para a linha de fundo. O lance, contudo, já havia sido paralisado, devido a posição de impedimento de Lucas Paquetá.

Aos 27, novamente em busca do empate, o Urubu levou perigo. Everton Ribeiro, velho conhecido dos torcedores mineiros, chutou de fora da área e viu a pelota passar caprichosamente raspando a trave do camisa 1 da Raposa.

Segundo tempo

Seguindo a mesma tônica da primeira etapa, o Cruzeiro soube controlar as ações até metade do tempo. Aos 17 minutos, o time teve sua grande oportunidade de mudar o marcador. Thiago Neves, cara a cara com Diego Alves, recebeu passe de Barcos, mas acabou abafado pelo arqueiro adversário.

Para evitar as investidas do Flamengo, os mineiros marcavam pressão e sufocavam Réver e companhia em seu campo de defesa. Porém, os visitantes acharam o gol.

Aos 24 minutos, após cruzamento, Léo Duarte subiu mais que a defesa cruzeirense, surpreendeu Fábio, e abriu o placar. Ali, ele enchia de esperança a maior torcida do Brasil.

Precisando evitar uma catástrofe, Mano acionou Raniel. Barcos foi o escolhido para deixar o gramado do Gigante da Pampulha. A troca, porém, não funcionou. Mas nada que entristecesse o lado azul.

Segurando o ímpeto do arrojado e animado Flamengo, e tentando explorar os contra-ataques, o Cruzeiro levou a partida até o apito final. Apesar da derrota, em casa, o time conseguiu o principal objetivo. O famoso "perdeu, mas levou", prevaleceu em Belo Horizonte.

Ficha Técnica:
Cruzeiro 0 x 1 Flamengo

Cruzeiro - Fábio; Lucas Romero (Edílson), Leo, Dedé e Egídio; Henrique, Lucas Silva, Robinho (Rafinha) e Thiago Neves; De Arrascaeta e Barcos (Raniel)
Técnico: Mano Menezes

Flamengo - Diego Alves; Rodinei, Léo Duarte, Réver e Renê (Geuvânio); Cuéllar (Lincoln), Paquetá, Diego e Éverton Ribeiro; Vitinho (Henrique Dourado) e Marlos
Técnico: Maurício Barbieri

Gol: Leo duarte, aos 24 minutos do segundo tempo.
Arbitragem: Andrés Cunha, auxiliado por Nicholas Taran e Maurício Espinosa (trio do Uruguai).
Cartões amarelos: Thiago Neves e  Rafinha (C); Renê, Leo Duarte e Rodinei (F)
Público Presente: 52.706 / Público Pagante: 44.791 
Renda: R$ 2.840.899,16

cruzeiro x flamengo