No mesmo mês em que o Cruzeiro completou cem anos de história, o time vive uma realidade que contradiz com a maior parte de sua trajetória, coloca em xeque uma reconstrução que nunca existiu e acrescenta mais alguns capítulos de uma saga recheada de humilhações. A derrota dos celestes para o lanterna da Série B, o Oeste, por 1 a 0, mesmo jogando na condição de mandante, no Independência, sucede uma sequência de fatos negativos, que aumentam um Calvário com “C” maiúsculo.

Com uma dívida que ultrapassa R$ 1 bilhão, travando várias batalhas na Justiça e aterrorizado por inúmeras pendências, o clube virou refém de sua própria incompetência e apatia, dentro e fora das quatro linhas. Chegou a um ponto em que os jogadores, insatisfeitos com atraso de três meses de salário, sequer entraram em regime de concentração na Toca, visando ao duelo da noite desta quarta-feira (13).

Em campo, deu a “lógica”. Sim, em situações normais, o mais provável seria apostar numa vitória da Raposa. Só que diante de um cenário nebuloso e sem perspectivas, além de o time celeste praticamente não ter chance de acesso nesta edição, eram grandes as chances de mais um vexame da equipe. O gol de Fábio, aos 40 minutos do primeiro tempo, foi o suficiente para selar uma noite de horrores aos comandados de Felipão.

Para reforçar ainda mais o drama vivido pelos azuis, outro fato vem à baila: em duas partidas nesta Série B contra o Oeste, o Cruzeiro sequer balançou as redes do adversário. No primeiro turno, em outra performance sem sangue e sem raça, o time mineiro ficou no 0 a 0, na Arena Barueri.

A impressão que se tem, 19 rodadas depois, no reencontro com os paulistas, é que a Raposa já está fazendo “hora extra” na Segundona, porque, visivelmente, quer que as rodadas restantes passem logo. 

Cruzeiro

CRUZEIRO 0 X 1 OESTE
Motivo:
34ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro
Data: 13/1/2021 (quarta-feira)
Estádio: Independência
Cidade: Belo Horizonte
Arbitragem: Gilberto Rodrigues Castro Junior, auxiliado por Clovis Amaral da Silva e Ricardo Bezerra Chianca, todos pernambucanos
Gol: Fábio (Oeste) aos 40 minutos do primeiro tempo

CRUZEIRO
Fábio; Cáceres, Manoel, Ramon e Matheus Pereira (Patrick Brey); Adriano e Machado (Thiago); Rafael Sóbis (Sassá), Airton (Claudinho) e Welinton; Marcelo Moreno (Stênio)
Técnico: Felipão

OESTE
Caíque França; Raí Ramos, Vitão, Maurício Barbosa e Rael (Bruno Lopes); Yuri (Bruno Miguel), Caio e Diogo (Betinho); Pedrinho, Léo Ceará (Índio) e Fábio (Kalil)
Técnico: Roberto Cavalo