A implementação do clube-empresa está na pauta do Cruzeiro desde o ano passado, na busca por soluções diante da gravíssima crise vivida pelos celestes. E no início desta semana, representantes da Raposa se reuniram com membros da EY (antiga Ernst & Young), líder em serviços de auditoria, consultoria, impostos, estratégia e transações, para discutir as diretrizes de implementação do projeto.

“Uma das grandes premissas da nossa administração é construir um novo Cruzeiro a partir de uma gestão amplamente profissional”, afirma o presidente da agremiação, Sérgio Santos Rodrigues. E continua: “Temos analisado e debatido com muita seriedade essa pauta do clube-empresa. Trazer a EY para essa discussão somente enriquece o processo e, com certeza, será uma parceria de extrema importância para os próximos passos do nosso projeto”.

O sócio-líder do escritório da EY em BH, Marco Araújo, reforça essa aliança. “Estamos muito confiantes que o projeto com o Cruzeiro é um importante passo para que o mercado veja o potencial de desenvolvimento da indústria do futebol. É imprescindível que o Brasil tenha segurança jurídica e regulatória a fim de ser atrativo para novos investimentos”, diz.

É aguardado para março a votação do Projeto de Lei 5516, de autoria do senador mineiro e presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, que indica a criação da SAF (Sociedade Anônima do Futebol), uma S.A. específica para a modalidade.

(Com informações da assessoria do Cruzeiro)