cruzeiro, arthur caike, csa

 

O técnico Ney Franco conheceu o gostinho da derrota no comando do Cruzeiro na noite deste sábado. No estádio Rei Pelé, em Maceió, o time celeste perdeu para o CSA por 3 a 1, na 10ª rodada, e segue o seu calvário na Série B do Campeonato Brasileiro.

Os gols do jogo foram marcados por Cleberson, Alan Costa e Pedro Lucas para os alagoanos, com Matheus Pereira anotando o de honra da Raposa.

Os três gols do CSA foram marcados em jogadas aéreas na defensiva cruzeirense, lances que se tornam um dos grandes dramas do Cruzeiro na competição. Foi a segunda vitória apenas dos alagoanos, que estavam na lanterna da competição antes do apito inicial. 

A próxima partida do Cruzeiro está marcada para a próxima sexta-feira (25), às 21h30, no Mineirão. O CSA recebe o Juventude no sábado, às 16h30.

O jogo

O Cruzeiro começou bem, partiu para cima do CSA, colocou pressão no adversário e logo no primeiro minuto animou o torcedor em um chute de Airton, que apareceu em velocidade pela direita, mas acertou a trave do goleiro Matheus Mendes.

Os nove primeiros minutos da partida foram de pressão cruzeirense, mas se esse ímpeto inicial foi interrompido com uma ducha de água fria proporcionada após lance infantil do setor defensivo da Raposa.

Aos 10 minutos, o atacante Rodrigo Pimpão recebeu pela direita e cruzou na grande área. Na segunda trave, o lateral-direito Rafael Luiz se afobou mesmo sem marcação e, com o “lance morto”, acabou jogando a bola para escanteio. O goleiro Fábio até chamou a atenção do companheiro, falando que não havia necessidade de ceder o tiro esquinado para o CSA.

E foi justamente no lance seguinte que o Cruzeiro levou o primeiro gol. Diego Renan, ex-jogador do time mineiro, bateu o escanteio, a bola desviou em Pimpão e sobrou para Cleberson, que balançou a rede: 1 a 0.

O gol dos alagoanos mudou a perspectiva do jogo e deu uma mudada negativamente no desempenho cruzeirense. Aquela organização inicial e pressão celeste diminuíram de intensidade. Tanto que uma nova chance a favor da Raposa aconteceu apenas aos 20 minutos.

Em cobrança de falta o volante Jean chutou forte, com curva, e o goleiro Matheus Mendes fez excelente defesa.

Sem conseguir emplacar um lance criativo, uma boa chance de empatar, o Cruzeiro acabou mesmo foi levando o segundo, e novamente em jogada aérea.

Em cobrança de falta executada por Rafinha a bola alcançou a área de Fábio. A zaga cruzeirense dormiu no ponto novamente e o zagueiro Alan Costa aumentou a contagem: 2 a 0.

As duas últimas chances do Cruzeiro na primeira etapa aconteceram com o lateral-esquerdo Matheus Pereira. Aos 35 ele obrigou o seu xará, o goleiro Matheus Mendes, a fazer excelente defesa. Aos 44 com um chutaço dentro da grande área a bola passou perto da meta dos alagoanos.

“A gente perdeu uma chance clara na primeira parte. Acabamos tomando gol de bola parada. Tínhamos que ter reagido melhor, e acabamos tomando o segundo. Temos que ter força de vontade agora para reverter o resultado”, disse o meia Maurício ao canal Premiere na saída para o intervalo.

Segundo tempo

No segundo tempo o jogo esteve equilibrado no reinício, mas a noite realmente não era do Cruzeiro. O CSA até sofreu um gol, mas terminou o jogo com os três pontos conquistados.

Matheus Pereira, o melhor do Cruzeiro em campo, fez o gol de honra da Raposa aos 21 minutos. O lance encheu o cruzeirense de esperança, mas sentimento que durou bem pouco.

Aos 26, Pedro Lucas aumentou para o time alagoano: 3 a 1, para o desespero da torcida, que viu a bola aérea ser o drama da defesa celeste, já que pela terceira vez seguida o gol de Fábio foi vazado em jogada construída em um cruzamento na defensiva estrelada.

Aos 28 minutos o CSA ficou com um jogador a menos. Rodrigo Pimpão foi expulso, mas nem com superioridade numérica a Raposa conseguiu construir jogada importante e perdeu após ter vencido na estreia de Ney Franco.