O Cruzeiro vive nas duas próximas rodadas da Série B o reencontro com dois adversários que foram fundamentais para a sua queda na Série A do ano passado, que aconteceu principalmente pelo péssimo desempenho do time contra seus companheiros de zona de rebaixamento e que em 2020 também jogam a Segundona.
Apenas três pontos separaram a Raposa, que foi a 17ª colocada, abrindo o Z-4, do 16º Ceará, que se salvou do descenso na última rodada.

Cruzeiro Chapecoense Mineirão Série BA primeira derrota do Cruzeiro na Série B foi justamente para a Chapecoense, no Mineirão, adversário que tirou cinco pontos da Raposa na Série A do Campeonato Brasileiro do ano passado

Dos 18 pontos que disputou contra os também rebaixados CSA, adversário deste sábado (19), às 21h, em Maceió, Chapecoense e Avaí, o Cruzeiro conquistou apenas quatro, frutos de empates contra os dois primeiros, na casa deles, e de duas igualdades diante dos catarinenses. O aproveitamento celeste foi de apenas 22%.

Este desempenho é pior que o geral alcançado pela Raposa na competição toda, considerando-se as 38 rodadas, que foi de 31%.

Diante dos mesmos clubes, o Ceará conquistou 12 pontos, aproveitamento de 67%, praticamente o dobro do seu geral no Brasileirão do ano passado, que foi de 34%.

Desastre

A primeira imagem que ficou dos reencontros do Cruzeiro com seus parceiros de rebaixamento no ano passado é ruim. Em 20 de agosto, pela quarta rodada, recebeu a Chapecoense no Mineirão sonhando em aproximação do G-4. A equipe, então comandada por Enderson Moreira, tinha vencido seus três primeiros jogos, a dívida de menos seis pontos estava paga e já sobravam três na classificação.

A derrota por 1 a 0 para os catarinenses não só acabou com a invencibilidade celeste na Série B, como deu início à crise que fez a Raposa se distanciar do G-4, com cinco partidas sem vitória na Segundona nacional. Este processo custou o cargo a Enderson Moreira, com Ney Franco assumindo.

E o novo comandante, que estreou batendo o Vitória por 1 a 0, na semana passada, tem o desafio de encarar agora, em sequência, CSA, neste sábado, e Avaí, na próxima sexta-feira (25), às 21h30, no Mineirão, pela 11ª rodada.

Fantástico

No ano passado, o Cruzeiro perdeu para a Chapecoense, no Independência, por 2 a 1, na 6ª rodada, justamente no dia em que as denúncias contra Wagner Pires de Sá, Itair Machado e Sérgio Nonato foram feitas no programa Fantástico, da Rede Globo.

Na Arena Condá, no returno, com Abel Braga no comando, o Cruzeiro vencia com um gol do zagueiro Dedé, marcado logo aos três minutos de jogo, até os 49 minutos do segundo tempo, quando o meia Camilo empatou o confronto decretando a “Lei do Ex”, que já tinha sido cruel com a Raposa.

Thiago Neves

Isso porque no turno, diante do CSA, em Maceió, na segunda partida de Rogério Ceni no comando, a equipe celeste levou um gol de Apodi já nos acréscimos do segundo tempo. No Mineirão, o confronto com os alagoanos é o famoso jogo do pênalti perdido por Thiago Neves, quando o Cruzeiro foi derrotado por 1 a 0, resultado que praticamente decretou a queda celeste.

Cruzeiro CSA Série A 2019 Mineirão Thiago NevesNa metade do segundo tempo do jogo contra o CSA, no Mineirão, perdido pelo Cruzeiro por 1 a 0, Thiago Neves chutou para fora um pênalti. Este jogo praticamente decretou o rebaixamento da Raposa à Série B

Diante do Avaí, na Ressacada, em Florianópolis, o empate por 2 a 2 foi alcançado nos acréscimos, com um gol de Sassá. No Mineirão, os dois clubes fecharam a 33ª rodada empatando por 0 a 0, no Mineirão, num jogo em que Thiago Neves perdeu um gol incrível, de cabeça, aos 45 minutos da etapa final, após bom cruzamento de Dodô.

O desafio de Ney Franco é acabar com a “zica” que o Cruzeiro vive diante desses três adversários, que praticamente o puxaram junto com eles para a Série B. E isso, num momento em que uma sequência de vitórias é tudo o que a Raposa precisa para tentar reaproximação do G-4, que já esteve próximo, mas começou a ficar distante com aquele 1 a 0 da Chapecoense, em 20 de agosto, no Mineirão, com um gol de Anselmo Ramon, em mais uma “Lei do Ex”.