Durante um bom tempo, o meia Gabriel Xavier foi “deixado de lado” na temporada passada. Sem espaço, a jovem promessa, ex-Portuguesa, chegou até a treinar separadamente dos demais jogadores. Não por acaso seu nome foi ventilado várias vezes como moeda de troca no clube. O espaço perdido, contudo, parece não ter afetado o jogador, de 22 anos.

Mesmo com um grupo ainda mais concorrido, reforçado com as vindas dos argentinos Matias Pisano e Sánchez Miño, além do Bruno Nazário, Gabriel Xavier iniciou a temporada como uma das alternativas do técnico Deivid e está cotado para assumir a camisa de titular na partida contra o Tombense, nesta quarta (3), em Muriaé.

Isso graças ao bom desempenho nas partidas contra o Criciúma, pela Primeira Liga, e URT, no último domingo. Xavier é cotado para assumir o lugar de Arrascaeta. O baixo rendimento do uruguaio contra a URT e a boa participação do ex-jogador da Portuguesa nos pouco mais de 30 minutos em que esteve em campo acenderam a dúvida do treinador, que elogiou o meia paulista.

“Gosto de conversar com ele (Gabriel Xavier). É um armador de qualidade. Contra o Criciúma, entrou bem, deu volume ao meio-campo. Que a cada dia ele ganhe mais confiança e aproveite a oportunidade”, declarou Deivid.

Com 25 jogos pelo Cruzeiro e um gol marcado, Gabriel Xavier teve uma proposta milionária do mundo árabe, mas revelou sonhar com voos mais altos na Toca da Raposa II. “Quero crescer no Cruzeiro e, quem sabe, chegar à Seleção, pois tenho idade olímpica. Sei que é difícil, mas não impossível. No mundo árabe, acho que ficaria um pouco esquecido”, frisou o meia, que tem contrato até 2018.

“Venho com o mesmo pensamento do ano passado. Tenho contrato com o Cruzeiro, quero trabalhar e sigo buscando meu espaço. Sei que de 35 jogadores (no grupo) só jogam 11. Então, quem fizer bem seu trabalho estará entre os 11”, diz.