Um dos jogadores mais experientes do time, acostumado a grandes decisões e também a situações complicadas no futebol, o lateral Ceará espera que o jovem time do Cruzeiro consiga se concentrar na difícil sequência que tem pela frente no Brasileirão. Antes de encarar novamente o Atlético pela Copa do Brasil, o time celeste tem dois importantes e tradicionais rivais pela frente: Santos e Grêmio. O primeiro duelo acontece neste domingo (16) às 17 horas na Vila Belmiro.
 
O Alvinegro Praiano terá, então, a chance de devolver a desclassificação na Copa do Brasil. O Peixe foi eliminado pela Raposa nas semifinais em uma épica partida que terminou com o empate por 3 a 3. Ceará estava em campo e espera que o time mostre maturidade para superar a alternância de competições, que o experiente lateral sabe que não é fácil. O Cruzeiro lidera o Brasileirão de forma isolada com 67 pontos, contra 63 do São Paulo. O Alvinegro Praiano está com 46 e dificilmente conseguirá chegar à zona de classificação para a Libertadores.
 
"Na verdade, não somos robôs. Somos seres humanos como qualquer um. Não é fácil mudar de uma competição para outra e a cada três dias você ter que se motivar e mobilizar novamente, sobretudo após uma derrota tão dolorosa como essa. A gente precisa olhar para o Santos dentro de uma competição em que somos lideres. Temos que saber da nossa capacitação, sem duvidar de nenhum dos nossos atletas, saber que todos podem fazer o melhor", afirmou.
 
Ceará esteve em 60% dos jogos do Cruzeiro na temporada (42). O camisa 2 começou em alta na disputa da Libertadores, deixando o jovem Mayke como suplente. Ao longo da maratona de 70 jogos que o time já passou neste ano, Ceará foi titular em 37, jogando outras 5 como reserva. Ciente da difícil sequência do time, com as próximas duas partidas longe de Belo Horizonte, ele quer que o time foque e pense jogo a jogo.
 
"Nosso pensamento é jogo a jogo, nós abordamos uma partida de cada vez. Não adianta pensar no Grêmio se antes temos o Santos. Temos que pensar na possibilidade de conquistar os três pontos. Estivemos lá várias vezes e sempre foi muito difícil. Ainda que o Santos não tenha mais objetivo dentro da competição, temos que abordar esse jogo como mais uma decisão. Depois temos que fazer os cálculos", concluiu.