O técnico Celso Roth está enfatizando a melhoria da marcação celeste durante os treinamentos. O comandante está tentando implantar um sistema onde a pressão ao adversário já comece no campo do adversário. Neste estágio do treinamento, os cruzeirenses ainda não conseguem marcar na intermediária do rival, mas o projeto é a longo prazo.

“Estou satisfeito com o treinamento? Não, ainda não. Falta muita coisa ainda, nós temos que melhorar. Isso é um hábito, fazer a marcação em determinado local. Hoje (terça-feira, 3 de julho) nós treinamos a marcação na nossa intermediária. O certo é fazer essa marcação na intermediária do adversário, no campo deles. Amanhã (quarta-feira, 4 de julho) nós faremos isso. Tudo é por etapas. E a exigência vai continuar. Porque, se nós conseguirmos nos habituar, e o hábito é a persistência, nós teremos uma maneira de jogar bem interessante, que é o que eu quero. E, aí, nós começamos a chegar perto daquilo que eu imagino e quero para o Cruzeiro”, opinou Celso Roth.

Roth explicou ainda os motivos que o levam a enfatizar a marcação durante os treinos na Toca da Raposa. Para o treinador, o sistema defensivo tem que ser bem azeitado para não gerar buracos na defesa.

"Quando jogamos em um campo rápido, contra um time rápido, nós não podemos marcar a bola, temos que marcar o jogador. E nós treinamentos foi essencialmente isso. Precisamos melhorar muito. Quando o time não faz isso, desencadeiam erros. Porque, o jogador que deveria marcar o atleta que está sem a bola, se ele não marcar, obriga o colega dele a fazê-lo. O colega dele vai fazer e vai sair do lugar, obrigando outro colega a fazer essa função E se não tiver a atenção rapidamente, o que é difícil, pois uma hora ou outra pode fazer isso, mas toda hora não, acaba se tornando uma coisa que gera desconfiança. Gerou desconfiança, não marcou bem, não joga bem. Foi isso que aconteceu em determinados momentos do jogo contra o São Paulo", finalizou o treinador.

A Raposa encara o Internacional, às 18h30, no próximo sábado, 7 de julho no Beira-Rio.