Peixe luta, mas se transforma em mais uma vítima do líder do Campeonato Brasileiro. Em uma grande partida de futebol no estádio do Mineirão, a Raposa bateu o Santos por 3 a 0, com gols de Marcelo Moreno, Ricardo Goulart e Julio Batista, e voltou à ponta, alcançando aos 33 pontos.

Peixe luta, mas se transforma em mais uma vítima do líder do Campeonato Brasileiro. Em uma grande partida de futebol no estádio do Mineirão, a Raposa bateu o Santos por 3 a 0, com gols de Marcelo Moreno, Ricardo Goulart e Julio Batista, e voltou à ponta, alcançando aos 33 pontos. Já o Santos perdeu pela terceira vez seguida no Brasileirão e caiu mais uma posição na tabela de classificação, chegando ao 10º lugar, com 20 pontos.

O duelo, válido pela 15ª rodada, marcou o 100º jogo do técnico Marcelo Oliveira à frente do clube mineiro e com o melhor retrospecto de um treinador na história cruzeirense. Ricardo Goulart, ao marcar mais uma vez, agora soma 9 no campeonato e é o artilheiro isolado. O Santos, apesar da boa atuação, principalmente de Robinho, que comandou o time durante todo jogo, foi castigado por desperdiçar tantas oportunidades de gol. E mesmo com o retorno do zagueiro Edu Dracena, o alvinegro praiano acabou levando mais um gol de boa aérea, o quinto seguido.

Precisando reagir com urgência, o Peixe recebe na próxima quarta-feira, na Vila Belmiro, o Atlético-PR em partida marcada para as 19h30. Enquanto isso, o Cruzeiro visita o Grêmio, no Sul, na quinta-feira, em jogo das 20h30.

Confira a galeria de fotos da partida:

Lá e cá

Como já se esperava na véspera, Cruzeiro e Santos mostraram desde o apito inicial que promoveriam um bom espetáculo no Mineirão. E também como já se imaginava, a Raposa começou partindo para cima, pressionando e buscando o gol, principalmente pelo fato de ter perdido a liderança para o Internacional, que venceu sua partida um dia antes.

Após rondar da área de Aranha por 18 minutos, a primeira boa chance veio depois da falha de Alan Santos na saída de bola santista. Marcelo Moreno recebeu, fintou, mas bateu fraco. No lance seguinte, Éverton Ribeiro abriu o placar, mas o gol foi corretamente anulado pela arbitragem, já que meia acabou usando a mão para dominar a bola antes de chutar para as redes. Apesar disso, não teve jeito. Aos 24 minutos o Santos levou o quinto gol seguido de bola alçada em sua área. O mesmo Éverton Ribeiro cruzou, Marcelo Moreno desviou de cabeça e Aranha acabou falhando ao tentar encaixar a bola.

Mas o Santos mostrou personalidade, mesmo com o Mineirão em êxtase, e partiu em busca do empate. Robinho assumiu a responsabilidade, chamou a bola e criou as melhores chances do Peixe. Aos 28, o camisa 7 deixou Cicinho em boas condições, mas o lateral errou ao tentar cruzar. Aos 32, Robinho fez bela jogada pela esquerda e rolou para Lucas Lima, mas Dedé salvou o time da casa ao travar o chute do meia alvinegro. Aos 38, Damião, sozinho no meio da área cruzeirense, desviou chute cruzado e Mena, mas a bola saiu pela linha de fundo. Um minuto depois veio a melhor chance do Santos em meio a surpreendente pressão imposta pelo time de Oswaldo de Oliveira, que fez o Cruzeiro recuar todos seus homens no campo de defesa. Robinho arrancou pelo meio, tabelou com Damião e serviu Thiago Ribeiro, que limpou Dedé e bateu tirando de Fábio, cruzado, buscando o ângulo, mas a bola foi para fora, tirando tinta da trave.

Fim de primeiro tempo de um grande jogo de futebol em que o Cruzeiro começou pressionando, mas viu o Santos dominar os últimos 15 minutos e por pouco não chegar ao seu gol. Frenético

A etapa complementar seguiu com o mesmo ritmo. A proposta de atacar imperava em ambos os times, mas, com o jogo aberto, o Cruzeiro, em vantagem no placar, levava vantagem. Oswaldo foi obrigado a sacar Bruno Uvini no intervalo. O zagueiro levou uma pancada no rosto e precisou ser substituído por Nailson. A outra modificação foi tática. O técnico do Peixe resolveu apostar na velocidade e tirou Leandro Damião do time para a entrada de Rildo. O que Oswaldo não imaginava era levar um gol logo aos 2 minutos. E foi o que aconteceu. Ricardo Goulart recebeu no meio da área, livre e fuzilou de pé esquerdo. Aranha não conseguiu fazer a defesa e o Cruzeiro abriu 2 a 0.

Mais uma vez o Santos não se rendeu e correu atrás do prejuízo. Teve uma boa chance com Rildo, aos 15, batendo de primeira e assustando os torcedores no Mineirão, e depois Thiago Ribeiro mostrou que realmente não vive uma boa fase. O camisa 11, que perdeu dois gols inacreditáveis no meio de semana, contra o Londrina, teve uma oportunidade cara a cara com Fábio, mas batei em cima do goleiro e desperdiçou a chance de diminuir.

Aos 27, foi a vez do Cruzeiro lamentar, já que o Willian também teve a chance cara a cara, mas acabou tirando demais e batendo para fora. O jogo não parava e os contra-ataques aconteciam com initerruptamente no bom gramado do Mineirão. O Santos chegava com perigo, era mais incisivo, mas pecava nas finalizações. E o balde de água fria veio aos 42. Thiago Ribeiro perdeu uma bola dominada e armou o contra-ataque mortal. Éverton Ribeiro arrancou e serviu Julio Batista, que tirou de Edu Dracena e bateu sem chances para Aranha.

Final de jogo, 3 a 0 para o Cruzeiro e muita festa no Mineirão.

FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO 3 X 0 SANTOS

Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Data: 17 de agosto de 2014, domingo
Horário: 16h (de Brasília)
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Assistentes:Rafael da Silva Alves (RS) e Alexandre Kleiniche (RS)

Gols: CRUZEIRO: Marcelo Moreno, aos 24 minutos do primeiro tempo. Ricardo Goulart, aos 2 do segundo tempo. E Julio Batista aos 42 do segundo tempo.
Cartões amarelos: CRUZEIRO: Éverton Ribeiro, Mayke e Julio Batista. SANTOS: Alan Santos.

CRUZEIRO: Fábio; Mayke (Ceará), Dedé, Léo e Egídio; Lucas Silva, Henrique, Everton Ribeiro e Ricardo Goulart (Dagoberto); Willian e Marcelo Moreno (Julio Batista)
Técnico: Marcelo Oliveira

SANTOS: Aranha, Cicinho, Bruno Uvini (Nailson), Edu Dracena e Mena; Alan Santos (Leandrinho), Arouca e Lucas Lima; Thiago Ribeiro, Robinho e Leandro Damião (Rildo).
Técnico: Oswaldo de Oliveira.