O São Paulo é o campeão da Série A2, que corresponde à segunda divisão do Campeonato Brasileiro Feminino de Futebol. Neste domingo (25), a Cruzeiro tentou reverter o placar elástico do jogo de ida (4 a 0), mas acabou esbarrando na superioridade paulista e ficou apenas no empate em 1 a 1. O jogo foi disputado no Estádio das Alterosas, no Sesc Venda Nova.

Apesar do vice-campeonato, a Raposa também sobe para a Série A em 2020, junto do Tricolor Paulista. Às duas equipes somam-se o Grêmio e o Palmeiras, que caíram nas semifinais da Série A2. Minas ainda teve outros dois representantes na Segundona este ano: o América, que ficou nas oitavas de final e o Atlético que não passou da fase de grupos.

De fato, nem neste domingo nem no jogo de ida, na semana passada, as Cabulosas jogaram por merecer o título. Prova é que, em nenhum momento da decisão de 90 minutos, o São Paulo se sentiu pressionado, ou precisou correr atrás do resultado. Nos dois jogos, o que se viu em campo foi um domínio absoluto das comandadas de Lucas Piccinato, que voltam para a capital bandeirante com um troféu conquistado na bola.

Antes da goleada no primeiro jogo da final, o Cruzeiro tinha decicido que as Cabulosas jogariam no Mineirão, devido a um apelo da torcida. Após a derrota, contudo, a estratégia foi marcar a final para o Sesc, onde parte da China Azul compareceu, e mesmo com o time perdendo por 5 a 1 no agregado, incentivou as atletas, reconhecendo a boa campanha na Série A2.

Empate

O gol do título paulista foi marcado aos 7 minutos do segundo tempo, por Ottilia. Ela subiu sozinha, após uma cobrança de escanteio e cabeceou para as redes. No final, ela foi muito aplaudida por suas companheiras. Antes, aos 32 minutos do primeiro tempo, Duda, marcou o único gol celeste na decisão, cobrando pênalti. Ela teve que bater duas vezes pois, na primeira cobrança, a goleira Carla se adiantou ao defender e a juíza flagrou a irregularidade.

Dos dois lados, os times tem o que comemorar nesta decisão. As cabulosas levam para a casa a satisfação de, em seis meses de trabalho, conseguir o acesso à Série A. O time chegou a ficar dez jogos invicto no campeonato. Já as visitantes, um time jovem, conseguiram conquistar um caneco inédito para o clube.

Ambos, contudo, sabem que o trabalho é de longo prazo para fazer bonito na Série A. Em 2020, o Brasileirão Feminino deve ter ainda mais público, visibilidade e, em consequência, qualidade. Será preciso planejamento para não fazer feito e, em primeiro lugar, cuidar de se garantir na elite.

Ficha do Jogo

CRUZEIRO 1 x 1 SÃO PAULO

Motivo: Jogo de volta da final do Campeonato Brasileiro Feminino A2 2019

Local: Estádio das Alterosas, no Sesc Venda Nova (BH)

Arbitragem: Francielly Fernanda Lima de Castro (MG), auxiliada por Fernanda Nândrea Gomes Antunes (MG) e Caroline Costa Silva (MG)

VAR: Não teve

Gols: Duda, aos 32 minutos do primeiro tempo, e Ottilia, aos sete do segundo tempo. 

Cartões Amarelos: Ary, Carla e Yaya, do São Paulo; e Duda, Hoffmann Túlio e Renata do Cruzeiro.

Cartão Vermelho: Não houve

Público: Não divulgado

Renda: Não houve (entradas foram gratuitas)

CRUZEIRO

Camila, Isa Leone, Pires, Lia e Janaína; Isabela (Pâmela), Nathália (Micaelly) e Duda; Vanessa, Miriã e Kim (Thayane).

Técnico: Hoffmann Túlio

SÃO PAULO

Carla, Andressa, Bruna, Thaís e Natane; Cris (Rayane), Yaya e Ary, Jaqueline (Larissa Santos), Valéria e Ottilia (Piti).

Técnico: Lucas Piccinato.

Leia Mais:
Missão Ceni parte II: Cruzeiro tenta quebrar mais tabus contra o CSA, em Alagoas
América entra em campo com camisa cinza em campanha de alerta a incêndios florestais na Amazônia
Clubes brasileiros criticam possíveis punições por homofobia de torcedores