O Cruzeiro tem sido um celeiro de zagueiros. Wallace, Bruno Viana, Murilo e Fabrício Bruno são alguns exemplos de jogadores da posição que surgiram nesta década e deram, principalmente, retorno financeiro ao clube. 

O jovem Cacá, de 20 anos, é mais um jogador que surge no time com muita expectativa. O zagueiro, que entrou no decorrer da partida contra o Santos e foi titular diante do CSA, vem ganhando a confiança do técnico Rogério Ceni. 

“Fiz um bom jogo contra o Santos. Substituir o maior zagueiro do Brasil (Dedé) era uma responsabilidade imensa. Fiz bem”, destacou Cacá. 

“Acho que todo mundo tem o sonho de jogar como titular. Eu também tenho que ver que estou do lado de três grandes zagueiros, e agora está chegando o Edu que é da base. É vivendo e aprendendo. Esperando a minha oportunidade, vou saber aproveitar da melhor forma possível”, completou. 

Cacá colocou Dedé como uma espécie de espelho no elenco, sendo uma referência técnica e de ajuda para os jovens jogadores.  

“Com o Dedé, todos os dias estou aprendendo. Ele é um cara muito humilde, abraça muito os meninos mais novos. Ele dá uma dura, mas é pelo melhor. Um cara que eu considero muito”, disse Cacá.  

Em 2019, o jovem zagueiro esteve em campo em quatro partidas. Com Léo e Dedé recuperados de problemas físicos, Cacá pode voltar para a reserva no próximo compromisso da Raposa, neste domingo, às 19j, no Mineirão, contra o Vasco, pelo Campeonato Brasileiro. 

Superação

O inicio de 2019 começou complicado para o jovem zagueiro.  Depois de uma abordagem policial na região da Pampulha, em Belo Horizonte, no dia 13 de janeiro, foram encontrados dois cigarros de maconha pela metade no veículo do jogador, além de oito buchas da mesma substância que estavam no bolso da blusa de atleta.

Mas, ao invés de ser punido pelo Cruzeiro, o jogador foi abraçado por todo elenco o que, para Cacá, foi essencial para “ganhar mais energia para poder dar a volta por cima”.

“Foi um momento muito difícil pra mim, para a minha família também. Foi um erro, foi um deslize. Mas eu cheguei e pedi desculpas ao clube, pedi desculpas ao time, pedi desculpas todo mundo e queria pedir desculpas à torcida. Estou tendo esta oportunidade agora de falar aqui. Não vai acontecer mais. Estou dando a volta por cima, estou trabalhando para isso (o acontecido) sumir”, explicou Cacá.