"Eu senti este resultado. Fiquei respirando, fui tentar recuperar o ânimo para dizer para eles (jogadores) que eu acredito". Estas foram algumas palavras do técnico Abel Braga após o empate sem gols contra o Avaí, nesta segunda-feira (18), no Mineirão. 
 
O treinador negou proteção a alguns jogadores que não vivem boa fase, mas que continuam com moral com o comandante. O meia Thiago Neves, por exemplo, teve mais uma atuação ruim e ficou o tempo todo em campo. 
 
"Não tem protecionismo. Esses caras deram bicampeonato ao clube (Mineiro 2018/19 e Copa do Brasil (2017/18). Hoje, estamos desolados. Não era o resultado que esperávamos, para quem tem nome, quem não tem nome. (O Thiago Neves) é o único meia  que nós temos que entra na área", explicou Abel. 
 
O Cruzeiro é o 16º colocado com 36 pontos, um a mais que o Fluminense, primeiro time dentro da zona de rebaixamento.  Incorformada com oito empates em 12 jogos, a torcida vaiou a equipe novamente. 
 
Abel acalmou os ânimos e utilizou palavras de expressão para tentar conformar os cruzeirenses. "Superação é a palavra-chave" e "enquanto houver possiblidade, eu acredito" foram algumas frases ditas pelo treinador em sua entrevista coletiva. 
 
Para tentar reencontrar o caminho das vitórias, o Cruzeiro tem pela frente o Santos, terceiro colocado, sábado (23), às 21h, na Vila Belmiro, pela 34ª rodada.