É impossível não relacionar o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), com o futebol. Em entrevista à Record Minas, o ex-presidente do Atlético foi questionado sobre o momento turbulento do Cruzeiro, dentro e fora de campo. 

Os dirigentes do time celeste são alvos de protestos da torcida cruzeirense. Até mesmo faixas com ameaças de morte foram feitas. Para Kalil, a realidade vivida pela diretoria da Raposa é normal no meio do futebol. 

“Ameaça de morte, bomba em casa, tentativa de invasão de CT, isso é mais velho que andar para frente no futebol. Passei por tudo isto. Quem não quer sofrer isso, vai ser presidente do Minas, do Pic, do Pompeia”, destacou Kalil. 

O prefeito de Belo Horizonte ainda enfatizou que é preciso ter força e persistência para comandar um time de futebol. “Dirigir futebol é coisa para quem tem coragem. Quem não tem coragem e morre de medo sai renunciando, em camburão lá de dentro, protegido pela polícia. Futebol é isso”, completou.

Alexandre Kalil foi presidente do Atlético entre 2009 e 2014 e vivenciou o céu, com a Libertadores de 2013, e o inferno, com o 6 a 1 sofrido contra o Cruzeiro em 2011.