As negociações entre Santos, Doyen Sports e Cruzeiro envolvendo Leandro Damião estão avançadas, mas ganharam um novo capítulo com a definição do novo presidente do Peixe. Representantes do grupo de investimentos maltês, que tirou o centroavante para colocá-lo no clube de Vila Belmiro, estão em Belo Horizonte em busca de um acerto com a Raposa. Porém, Modesto Roma Jr, eleito no último sábado, apesar de enxergar o empréstimo como bom para todas as partes, não pretende sair de mãos abanando.
 
A primeira controvérsia ficou explícita na segunda-feira (15), quando Modesto não se mostrou favorável à ideia inicial de aceitar o negócio com a condição de que o Santos arque com metade do salário do jogador, que se aproxima dos R$ 700 mil mensais. "Eu gostaria de pagar só 10% do salário do Messi, vamos ver se o Barcelona aceita", ironizou o novo mandatário, na ocasião.
 
Portanto, buscando alternativas para o sucesso do negócio, o Santos deve solicitar o envolvimento de dois jogadores do elenco mineiro: Dagoberto e Pedro Ken. O primeiro não se contenta com a posição de reserva e já deixou claro que prefere sair a ter de ficar mais uma temporada como suplente, mesmo que no atual campeão brasileiro. Já o segundo foi emprestado para Avaí, Vitória e Vasco nos últimos três anos e não deve ser problema.
 
“Tem negociação com o Damião, que é um centroavante. E Fred também tem, mas a negociação está mais adiantada com o Leandro Damião. Ainda não assinamos, só estará tudo certo depois que assinarmos”, disse o vice-presidente do Cruzeiro, Márcio Rodrigues, em entrevista à TV Alterosa, nesta segunda-feira.
 
A Raposa quer agilizar as negociações porque teve de devolver Marcelo Moreno ao Grêmio e perdeu Borges. Além disso, apesar do interesse, o salário de Fred assustou a diretoria mineira, por isso as tratativas com Leandro Damião são encaradas como prioridade.