O mistério continuou neste sábado, após os últimos preparativos para o confronto de domingo contra o Vasco, às 19h, no Mineirão, pela 17ª rodada do Brasileirão. O Cruzeiro de Rogério Ceni, que na quarta-feira protagoniza o que alguns consideram o "jogo do ano" diante do Internacional, no Mineirão, decidindo vaga na final da Copa do Brasil, só será definido uma hora antes do jogo contra os cariocas.

Time mesclado ou força máxima contra os cariocas? À exceção de Fábio, no Gol, e de Orejuela, na lateral direita - convocado pela Seleção da Colômbia, ele não poderá participar da partida contra o Inter -, as vagas do setor defensivo seguem "sem dono". Dedé e Léo, teoricamente titulares da zaga, recuperaram-se de problemas físicos e estão à disposição, mas nada impede que Fabrício Bruno e Cacá voltem a figurar entre os titulares.

Embora praticamente garantido para o jogo contra os cruzmaltinos, Dodô não teve revelada sua posição: se entrará como ala ou como meia. No primeiro caso, Egídio também iria para o campo. Já na intermediária, Henrique e Jadson são outros que parecem garantidos, mas a confirmação só ocorrerá uma hora antes do confronto.  

Na frente, Ceni pode tanto optar pelo quarteto formado por Marquinhos Gabriel, David, Fred (ou Sassá) e Pedro Rocha, já que o último, ausente da partida contra o CSA, está bem para o jogo, quanto pode lançar mão de Thiago Neves e Robinho, alterando o desenho tático do ataque e deixando, por exemplo, a equipe sem um centroavante típico.

Para Marquinhos Gabriel, que, durante a semana, mostrou muita vontade de atuar tanto diante do Vasco como no jogo fundamental contra o Internacional, três dias depois - e que pode valer mais um passaporte carimbado a finais da Copa do Brasil -, o suspense também continua.

“Por mim, Marquinhos está domingo e quarta-feira. Nunca queremos ficar fora dos jogos. Vamos ver o que o Rogério vai passar para esses dois compromissos tão importantes, mas estamos bem confiantes tanto para eles quanto para a sequência”, disse o atleta.