O meia Robinho é um dos destaques do Cruzeiro na temporada. Com seis assistências em 2019, o jogador é essencial para o esquema do técnico Mano Menezes.

Na maioria das partidas, Robinho jogou como um meia aberto pela direita, sendo importante na armação das jogadas e auxiliando na marcação do meio-campo. 

Mas o camisa 19, que chegou ao Cruzeiro em abril de 2016, pode jogar em várias funções. O jogo contra o Emelec, do Equador, na última quarta-feira (8), no Mineirão, foi um exemplo. Poupado na etapa inicial, o jogador entrou na volta do intervalo, no lugar de Ariel Cabral, e mudou o ritmo do time celeste em campo. 

Robinho começou o segundo tempo atuando na função habitual, mas, com a saída de Jadson para a entrada de Thiago Neves, aos 18 minutos, o camisa 19 passou a atuar como volante ao lado de Henrique. Versátil, Robinho gostou da sua atuação e se colocou a disposição de Mano Menezes para jogar como volante. 

“Achei que ficou legal. Claro que a gente fica um pouco exposto. Não sou um cara de marcação. Sou mais de posicionamento de setor. Sobrecarrega um pouco o Henrique, mas acho que a gente pode testar. Não acho que fica tão ruim não porque o nosso time é muito técnico. Fica com a bola”, destacou Robinho.

Henrique é considerado o único volante titular atualmente no Cruzeiro, já que Mano Menezes tem revezado Lucas Romero, Lucas Silva, Ariel Cabral e Jadson (este com menos frequência) como companheiro do capitão cruzeirense no setor. Mesmo com várias peças para a posição, Robinho considera que também pode ser importante atuando mais recuado. 

“Tem que treinar. Não sei se o Mano pensa nisso no restante da temporada, mas quando ele me colocar ali vou tentar fazer o que eu fiz agora: organizar o time, criar, tocar pra cá, tocar pra lá, virar o jogo. Acho que deu certo”, acrescentou.