cruzeiro, sede administrativa

Perto de seus últimos dias no comando do Cruzeiro, o Conselho Gestor divulgou nesta quarta-feira (20) o balanço patrimonial do exercício 2019 no clube, e o resultado é chocante. Durante a gestão Wagner Pires de Sá houve aumento estratosférico do déficit nas finanças, que atingiu R$ 394.100.974,00.

Em 2018 o prejuízo celeste havia atingido a casa dos R$ 73 milhões, mas um ano depois o aumento do rombo nas contas celestes mais de 500%, índice que fez a Moore colocar em xeque à continudade das operações no Cruzeiro. Tanto que a empresa que auditou as contas da Raposa citou no campo ênfase da análise contábil a seguinte anotação: "incerteza significativa relacionada à continudade operacional do clube".

"Os déficits consecutivos apresentados pelo clube em suas operações em 31 de dezembro de 2019 totalizaram o montante de R$695.934.379 e nessa data a soma do passivo circulante e passivo não circulante excedeu o total ativo em R$486.857.510 (passivo a descoberto). Essa condição indica a existência de incerteza significativa que pode levantar dúvida quanto à capacidade de continuidade operacional do Clube", cita o documento.

Um milhão por dia

"Meu objetivo é torrar um milhão", frase que ficou famosa no filme "Meu nome não é Johnny", que contou a história de João Estrela, um traficante de classe média que marcou época no Rio de Janeiro, e que vira uma fichinha quando comparada em números ao que aconteceu no Cruzeiro.

Com o déficit de mais de R$ 394 milhões no ano de 2019, a representatividade dessa dívida é como se houvesse gasto de mais de R$ 1 milhão por dia no clube na temporada passada.

A gestão de Wagner Pires de Sá começou dando indícios de gastos exorbitantes no comparativo com outros anos. O primeiro ano de presidência de Pires de Sá (2018) registrou déficit de R$ 73,3 milhões, sendo que entre 2016 e 2017 houve queda no déficit (de 29,3 milhões de reais para 27,2 milhões). 

Dívida global

Os gastos totalmente sem moderação no último ano também estouraram a conta geral no clube. A dívida global atinge atualmente R$ 803.486.208,00 milhões. 
Queda nas receitas

O ano de 2019 também contou com queda nas receitas do clube em comparação com 2018. A temporada passada rendeu ao Cruzeiro R$ 280.799.767,00, quase R$ 50 milhões a menos do que uma temporada antes (R$ 48.319.227,00).