O nome de Emílio Brandi como candidato da situação nas próximas eleições do Cruzeiro foi definido nos bastidores após muitas conversas entre o presidente interino do clube, José Dalai Rocha, e os membros do Núcleo Dirigente Transitório. Por causa desses vários diálogos houve, por parte da atual presidência celeste, uma "demora proposital" na convocação do pleito eleitoral do dia 21 de maio.

E para aceitar que o seu nome fosse cogitado para a cadeira presidencial, o sobrinho de Felício Brandi fez algumas exigências, dentre essas a de que os membros do Conselho Gestor seguissem com ele até o fim do ano.

Emílio Brandi, de acordo com apurações da reportagem, terá o apoio de todos os atuais membros do Conselho Gestor, além dos 'players' que já deixaram o grupo, como os empresários Pedro Lourenço, dono da rede de Supermercados BH, e Vittorio Medioli, proprietário da Sada Transportes, dentre outros empreendimentos. 

Segundo informações recebidas pelo HD a intenção do presidente interino José Dalai Rocha era encontrar um nome de consenso, um "aglutinador", e que esse candidato não tivesse nenhuma ligação, principalmente, com a "violenta campanha eleitorial" do último pleito.

O sobrenome de Emílio, além da figura do próprio empresário, era o que Dalai "mais queria", de acordo com fontes ouvidas pelo HD. E o desejo do atual presidente é que o processo eleitoral ocorra com chapa única, e que o sobrinho de Felício Brandi seja aclamado presidente do Cruzeiro para o "mandato tampão" até o fim de 2020.

Os nomes dos vices-presidentes diretos de Emílio Brandi ainda estão sendo definidos.

Mudança de estatuto

Há dentro do Cruzeiro atualmente o consenso de que o estatuto do clube precisa ser urgentemente modificado. E essa mudança acontecerá em dois pólos, o eleitoral e administrativo.

De acordo com o Hoje em Dia, as mudanças administrativas já estarão aplicadas entre março e abril deste ano. O que diz respeito à parte eleitoral só não será modificado na mesma velocidade para evitar problemas jurídicos. Passado o período de eleição o assunto será amplamente discutido e implementado.  

A partir da escolha do presidente que governará o clube por pelo menos um semestre  (de junho a dezembro de 2020) é que as alterações no estatuto no âmbito das eleições serão definidas. Informação antecipada pelo site Deus Me Dibre e confirmadas pelo Hoje em Dia. 

As mudanças administrativas trariam ao Cruzeiro uma profissionalização da governança, com auditorias obrigatórias, diretrizes orçamentárias e responsabilização jurídica a quem atentar contra o patrimônio do clube e/ou praticar gestão temerária/irresponsável. 

Conselho Deliberativo

Além de Emílio Brandi, candidato à presidência do Cruzeiro, Dalai Rocha e o Conselho Gestor indicaram o nome do candidato ao cargo de presidente do Conselho Deliberativo. Trata-se de Paulo Roberto Sifuentes, atual vice-presidente da pasta.