Durante o período em que Mano Menezes comandava o Cruzeiro, ele ressaltava em várias entrevistas coletivas que o time deveria ter mais homens de ataque adentrando as áreas adversárias. Na última segunda-feira (18), essa “bronca” foi resgatada por Abel Braga, insatisfeito com a atuação do setor ofensivo celeste no empate sem gols com o Avaí, no Mineirão.

Um dos atletas mais cobrados pela torcida – e que virou alvo de vaias – é o atacante David, que reconhece esse problema grave do ataque. Aliás, o avante revelou nesta quarta-feira (20) uma conversa com o meia Thiago Neves, a respeito da postura tática que estaria “atrapalhando” o camisa 11 nos avanços à meta dos oponentes.

“O Thiago diz que volto muito para ajudar na marcação e quando vou atacar, às vezes, não estou à frente. Eu e o time todo nos comprometemos muito taticamente. Nesse último jogo, quando eu voltava um pouco mais, ele (Thiago Neves) mandava eu sair. É mais uma responsabilidade que a gente tem, um 'medo', pois queremos ajudar o time de todas as formas”, relatou David.

David

Sem balançar as redes há oito meses – a última vez foi em 20 de março, nos 3 a 0 sobre a Caldense –, o atacante mantém aquele velho discurso dos jogadores cruzeirense de que as coisas vão melhorar.

“Há a dificuldade de chegar com mais jogadores dentro da área e criar oportunidades para deixar jogadores na cara gol. O professor Abel tem me passado muita confiança, e estamos tentando melhorar a cada dia. Ele passa confiança para mim. Não somente eu, como o time todo tem ciência disso (problemas em marcar gol)”, afirmou.

Sem anotar gol há três partidas, o Cruzeiro tenta reencontrar o caminho das redes e das vitórias neste sábado (23), às 21h, contra o Santos, na Vila Belmiro, pela 34ª rodada do Campeonato Brasileiro.