A notícia que o volante Jadsom Silva acionou o Cruzeiro na Justiça, em busca da rescisão do contrato, agitou a Toca da Raposa II nos últimos dias.

O jovem jogador, de apenas 19 anos, pede a quebra do vínculo, em razão de atrasos salariais. O processo tramita em segredo de Justiça.

A ação de Jadsom é mais uma envolvendo jogadores formados na base celeste, desde o agravamento da crise econômica do clube estrelado, agravada com o rebaixamento no Brasileirão de 2019.

Além de Silva, o goleiro Rafael, o zagueiro Fabrício Bruno e o volante Éderson, acionaram a Raposa na Justiça, chegando a um acordo, sem, no entanto, gerar ao Cruzeiro a contrapartida financeira esperada pelo potencial demonstrado pelo jogadores.

O clube ainda lida com outras diversas ações trabalhistas, envolvendo outros jogadores que pleiteiam seus direitos, a última delas envolvendo o zagueiro Dedé, que pede mais de R$35 milhões em verbas trabalhistas. 

Entretanto, a "perda" dessas promessas, em um momento em que a instituição precisa urgentemente conseguir recursos para atenuar a asfixia financeira, são especialmente sentidas.

Relembre os recentes casos de crias do clube que foram à Justiça: 

Fabrício Bruno

Então com 23 anos, Fabrício Bruno acionou o Cruzeiro na Justiça em dezembro de 2019, dias após o rebaixamento celeste à Série B, em um procedimento que tinha valor de causa em R$4 milhões.

Menos de um mês depois, Fabrício a Raposa chegaram a um acordo que previu a retirada da ação por parte do jogador e a sua liberação para deixar o clube estrelado.

O pacto ainda determinou que o Cruzeiro recebesse R$500 mil de compensação financeira pela saída do zagueiro, e mantivesse 25% dos direitos econômicos do jogador.

Logo em seguida, Fabrício Bruno oficializou o acerto com o Red Bull Bragantino, equipe que defende atualmente.

Éderson

No início de janeiro do ano passado, foi Éderson, na época com 20 anos, que recorreu à Justiça do Trabalho para deixar a Raposa, cobrando cerca de R$2 milhões em dívidas, referentes a salários, 13º e FGTS.

No mês seguinte, em um acordo que também envolveu o atacante Deivid - outro que acionou a Raposa na Justiça - ficou definido que ambos retirariam as ações e seriam liberados do contrato.

Pelas rescisões, o Cruzeiro recebeu um valor que girou em torno de R$6 milhões.

Após o pacto, Éderson acertou com o Corinthians, e Deivid com o Fortaleza.

Rafael

Mais identificado com o clube, entre todos da lista, Rafael, então com 30 anos, instaurou o procedimento trabalhista também em janeiro de 2020, com pedidos avaliados em mais de R$9 milhões.

Pouco mais de um mês depois, o goleiro e o clube estrelado chegaram a um acordo, prevendo a retirada da ação, a liberação do jogador e o parcelamento dos vencimentos atrasados, a partir do meio deste ano, conforme informou na época, João Chiminazzo, advogado do atleta.

Dias depois, Rafael foi anunciado como novo goleiro do Atlético.