Pela primeira vez depois de mais de um ano, o nome do atacante Fred e o Atlético não tiveram a conexão dos R$ 10 milhões. O camisa 9 do Cruzeiro foi o nome decisivo pelo lado da Raposa no clássico deste domingo. Sofreu e converteu o pênalti que garantiu ao Cruzeiro fazer 1 a 0 (o Galo empataria também de pênalti).

O "Rei dos Stories" tinha um sabor especial para anotar no dérbi da terceira rodada do Campeonato Mineiro. Processado (e derrotado em 1ª instância) pelo Atlético, não enfrentou o ex-time em 2018, no ano da troca de lado em BH. Se lesionou e perdeu os cinco clássicos da temporada passada. Agora, ele tem o mesmo número de gols pelo Cruzeiro contra o Atlético que somava pelo Atlético contra o Cruzeiro: três bolas na rede.

O chute forte no canto esquerdo, cruzado, quase foi parado por Victor. Ele sofreu o pênalti (ainda polêmico) no "agarra-agarra" com o zagueiro Igor Rabello. Wanderson Alves marcou com convicção, pouco antes de ser substituído pelo quarto árbitro por lesão.

Ex-companheiro de Victor no Atlético entre julho de 2016 e dezembro de 2017, Fred destacou que o goleiro alvinegro conhece a batida dele na marca da cal, mas a força foi primordial para ele celebrar o gol.

"O Victor já me conhece, sabe que a maioria das vezes eu bato cruzado. Ficou provocando, fui bater lá. Bati firme e ele relou nela. Mas entrou. Estava com saudade de jogo assim, de clássico, jogo importante. Tive que ficar lá em cima no ano passado", afirmou Fred, que chegou a 48 gols na história do Campeonato Mineiro.