O zagueiro Dedé já havia sido presença positiva na equipe do Cruzeiro no empate em 0 a 0 diantedo Vasco. Recuperou a posição de titular no lugar de Murilo, que foi mal na ida da final. E a alteração foi certeira. O camisa 26 foi gigante na zaga celeste contra o Atlético, neste domingo (8), destaque da vitória de 2 a 0 que valeu o título de "retomada".

Após viver período de afastamento do time por conta de lesões no joelho, o xerife celeste celebrou estar em campo mais uma vez de forma integral. Viu a defesa da Raposa não ser vazada. Mas também criticou o ambiente criado pela torcida do Atlético, confiante na taça após vencer por 3x1 na ida.

"Eu não sou polêmico, jamais vou dar um pontapé desnecessário, nunca fiz isso. Não sou de debochar torcedores e clubes, porque respeito todos os clubes o Brasil. Mas cara, futebol tem 90 minutos. Quando não são 180 minutos, em ida e volta. Não adianta gritar campeão antes da hora", afirmou o jogador, à Rádio Itatiaia.

Dedé também citou o venezuelano Rómulo Otero, que foi herói do Galo na ida, e vilão na volta, ao dar uma cotovelada no Edílson. Dedé lembrou de um lance no Independência, quando Robinho faz falta em Otero. Ajoelhado, o camisa 11 do Atlético simula sentir um odor da parte traseira do meia do Cruzeiro.

"Na hora do hino eu escutei: 'É bicampeão', que é difícil. Mas escutei, vi palhaçada de Otero cheirar bunda de Robinho. Vi Otero xingar o Rafinha depois do jogo, em rede social. E ta aí, foi expulso no jogo. Foi embora sem a taça, sem a medalha dourada. E hoje quem está comemorando somos nós. Futebol se resolve dentro de campo", completou o defensor.