Com 20 gols nos 81 jogos que disputou na sua primeira passagem pela Toca da Raposa II, o que dá uma média de 0,24, Sassá vira opção do técnico Ney Franco para a partida da próxima quarta-feira (30), contra a Ponte Preta, às 19h15, no Mineirão, pela 12ª rodada da Série B. E o desafio é mudar seus números, pois o que a Raposa mais precisa é de gols dos seus centroavantes, que estão devendo.

Sassá atacante CruzeiroDispensado pelo Coritiba, Sassá retorna ao Cruzeiro e passa a ser opção para o técnico Ney Franco

Principal contratação cruzeirense para 2020, Marcelo Moreno participou de nove dos 11 jogos do Cruzeiro na Segundona. E marcou dois gols, um deles de pênalti, nos 3 a 2 sobre o Guarani, em Campinas. Isso dá ao boliviano média de 0,22, inferior à geral de Sassá, que é baixa para um centroavante, por mais que ele tenha sido reserva em 59% das partidas disputadas pela Raposa.

O outro centroavante cruzeirense é o garoto Thiago, revelação das categorias de base e que participou, como titular ou entrando no decorrer da partida, de dez dos 11 jogos cruzeirenses na Série B do Campeonato Brasileiro. E ainda não balançou a rede na competição.

Assim, os dois centroavantes do Cruzeiro somam dois gols em 11 confrontos, sendo um deles marcado de pênalti.

A falta de gols dos homens de frente é um dos graves problemas do Cruzeiro nesta Série B.

Além de Marcelo Moreno, só Arthur Caíke balançou a rede, na derrota de 2 a 1 para o América.

A crise é tão grande, que os defensores têm mais gols que os atacantes. Cacá, Léo, Cáceres e Matheus Pereira já marcaram nesta Segundona, somando quatro o número de gols da turma que tem como prioridade defender.

Os jogadores de meio também já balançaram a rede quatro vezes, com Régis (2), Jean e Maurício.

Que o desempenho do ataque cruzeirense precisa melhorar, os números mostram. Resta saber se Sassá conseguirá colaborar para isso aumentando sua média de gols.