Se nos quatro primeiros jogos desta segunda passagem de Felipão na Toca, a defesa do Cruzeiro portou-se muito bem, o mesmo não se pode dizer do que aconteceu no quinto duelo. Diante do Guarani, o sistema defensivo sofreu o triplo de gols em relação ao desempenho na série anterior, originando uma preocupação ao treinador celeste.

"Tomamos três gols, mais por méritos do Guarani. Os jogadores deles se sobressaíram hoje (segunda) no geral. Dificultaram as coisas para nós. Não é normal tomarmos tantos gols. Vamos conversar, olhar o tape novamente, para ver se cometeremos menos erros", destacou o técnico em sua entrevista coletiva, nessa segunda-feira (9), após o empate em 3 a 3 com o Bugre.

Nos quatro primeiros jogos com Felipão na Série B, a retaguarda do Cruzeiro levou apenas um gol, no empate com o Náutico, em 1 a 1, nos Aflitos. Nas demais partidas, passou ilesa: triunfos por 1 a 0 sobre Operário-PR, no Germano Krüger, e Botafogo-SP, no estádio Santa Cruz, e 2 a 0 em cima do Paraná, no Mineirão.

A média com Scolari é de 0,8 tento sofrido por jogo. Não é tão distante do rendimento sem ele no comando. Nas 17 rodadas anteriores, a Raposa levou 16 bolas na rede, ou seja, 0,94 a cada 90 minutos.

O próximo desafio dos celestes será no próximo dia 20, às 21h30, contra o Figueirense, no Mineirão, pela 22ª rodada da Série B.

Cruzeiro