Em clássico, pode acontecer o improvável, o imponderável, o surgimento de um herói que não fazia parte da lista inicial de candidatos a melhor jogador. Às vezes, o duelo se define por meio de um detalhe. Mas antes de Cruzeiro e Atlético adentrarem o gramado do Mineirão, neste domingo (11), às 16h, cada time se apoia em seus pontos positivos para tentar conquistar um triunfo.

Do lado alvinegro, a aposta é no melhor ataque do Campeonato Mineiro. Com 20 gols em oito partidas, o Galo destoa dos demais clubes participantes da competição nesse sentido. O segundo melhor setor ofensivo, o Pouso Alegre, fez 11, até agora.

O panorama é tão favorável que Cuca possui várias situações para armar sua linha de frente. A chamada “dor de cabeça boa”.

"Os times europeus jogam muito assim, não com dois homens de área. Tanto Sasha quanto Vargas sabem flutuar, buscar o jogo e abrir espaço. (...) Vamos nos preparar de todas as formas. Pensamos em fazer um jogo bom e fazer tudo que podemos em campo", disse ele, que, além dos citados, conta com Keno, Savarino, Hulk, Marrony e outros para o ataque.

No Cruzeiro, a expectativa é a de neutralizar as principais peças do rival e fazer valer o fato de ter a defesa menos vazada do campeonato, com apenas três gols sofridos.

“A gente da defesa procura errar o mínimo possível. Errando pouco, a bola fica difícil de chegar ao Fabio. Fruto do trabalho do professor Felipe (Conceição)”, ressalta o zagueiro Ramon.

Mesmo sem Manoel, que pediu para não mais atuar pelo clube, a Raposa promete uma defesa sólida neste domingo. “O nome disso é trabalho. Treinamos a favor do grupo do Cruzeiro. A gente trabalha na parte tática e o no poder de defesa; quem entra, ajuda o Cruzeiro. O grupo está unido e forte”, completou Ramon.

Clássico