Após permanecer quase quatro meses invicto, o Cruzeiro conheceu a sua segunda derrota seguida em cinco dias (a terceira em 15 dias), ao perder para o Internacional por 3 a 1, no Beira-Rio, pelo Campeonato Brasileiro. O time mineiro já tinha sido derrotado no meio de semana, para o Emelec, por 2 a 1, no Mineirão, na Copa Libertadores.

O Cruzeiro foi facilmente envolvido pelo Inter, principalmente no segundo tempo, e, com seis pontos, estaciona na parte de baixo da tabela de classificação.

Apesar de entrar com um time bem mexido, o Cruzeiro começou assustando o Internacional, após Fred receber pela direita e fazer um cruzamento para o meio da área, com Thiago Neves chutando para fora.

O Inter só respondeu à altura aos 17 minutos, numa cobrança de falta pela direita, próxima à grande área – Nico López sofreu falta de Lucas Romero quando tentava driblar. D’Alessandro desperdiça a chance, mandando a bola para longe.

Pouco depois, o Cruzeiro perdeu outra chance de abrir o placar, numa jogada muito semelhante a do início do jogo, com Pedro Rocha avançando pela esquerda e cruzando para a área, com Jadson batendo de primeira para fora.

Os gaúchos tinham mais a posse de bola, mas não conseguiam se desvencilhar da forte defesa armada por Mano Menezes. Já o Cruzeiro era mais perigoso, construindo jogadas em velocidade e chegando.

Numa nova cobrança de falta, também idêntica ao lance anterior, o Inter não desperdiçou. Aos 31 minutos, na cobrança de Guerrero, a bola bate na barreira, muda de direção e acerta a trave, voltando para Nonato cabecear em direção a gol.

No mesmo lance, outros dois jogadores do Internacional chegaram em condições de marcar, num claro erro da defesa cruzeirense, que ficou parada após a bola bater na trave e voltar.

Os donos da casa não tiveram muito tempo para comemorar. Quatro minutos depois, o Cruzeiro empatou, numa jogada que também teve origem numa cobrança de falta. Thiago Neves alçou na área, com a bola sobrando para Dedé emendar.

Para conseguir vencer a marcação do Cruzeiro, o Inter mudou a forma de jogar, deixando D’Alessandro mais centralizado. A mudança deu resultado, aumentando a pressão do Internacional na área cruzeirense.

Aos 10 minutos, veio o gol, numa jogada iniciada numa roubada de bola de Edenílson. Após várias bolas acertando a defesa e voltarem, em chutes de Nico, D’Alessandro e Guerrero, o atacante peruano consegue acertar na quarta tentativa.

Com maior domínio em campo, o Inter não se acomodou e continuou buscando o gol. Num contra-ataque rápido, Nico López tentou por cobertura, aos 15 minutos, e a bola raspou na trave antes de ir para fora.

O Cruzeiro não conseguiu responder, vendo o Inter quase chegar ao terceiro, com um pênalti feito por Dodô em cima de Nonato. D’Alessandro bateu muito mal, rasteiro, pelo lado esquerdo, para a fora.

Mano Menezes fez duas mudanças de uma vez, tirando Jadson e colocando Rodriguinho para melhorar a armação. No ataque, pôs David e tirou Pedro Rocha. Apesar de exibir uma organização melhor, o Inter não deixou de fustigar a defesa cruzeirense.

Aos 37, os gaúchos chegaram ao terceiro gol numa cópia do primeiro, mais uma vez contando com a sorte (de a bola voltar e dar o rebote) e a desatenção dos mineiros. Sobis, ex-Cruzeiro, bateu a falta, acertando o travessão. Na volta para a área, Rorigo Moledo não perdoou.

Já nos descontos, o lateral Edílson, que fez uma partida muito ruim, levou cartão vermelho direto após acertar uma cotovelada em Nico López.

O Cruzeiro retorna a campo na quarta-feira para enfrentar o Fluminense, no Maracanã, às 21h30, pelas oitavas-de-final da Copa do Brasil, marcando a estreia dos mineiros na competição. Curiosamente, os dois clubes voltam a duelar no sábado, pelo Brasileiro.

 

 

INTERNACONAL 3 X 1 CRUZEIRO

INTERNACIONAL – Marcelo Lomba, Zeca, Rodrigo Moledo, Víctor Cuesta, Iago, Rodrigo Lindoso, Edenílson, Nonato (Guilherme Parede), D’Alessandro (Rafael Sobis), Nico López e Guerrero (Sarrafiore). Técnico: Odair Hellmann.

CRUZEIRO – Fábio, Edenílson, Léo, Dedé, Dodô, Lucas Silva, Lucas Romero, Jadson (David), Thiago Neves, Pedro Rocha (Rodriguinho) e Fred (Sassá). Técnico: Mano Menezes.

GOLS – Nonato, aos 31, e Dedé, aos 34 minutos do primeiro tempo. Guerrero, aos 10, e Moledo, aos 37 minutos do segundo tempo.

CARTÃO VERMELHO - Edílson

ARBITRAGEM -  Raphael Claus, auxiliado por Marcelo Carvalho Van Gasse e Danilo Ricardo Simon Manis. Thiago Duarte Peixoto como árbitro de vídeo. Todos de São Paulo.

LOCAL – Beira-Rio (Porto Alegre)

PÚBLICO – 23.416 presentes

RENDA - R$ 948.310,00