Um dos destaques do Cruzeiro na vitória por 1 a 0 no clássico contra o Atlético, no último domingo (11), no Mineirão, o zagueiro Weverton vive uma rápida ascensão na Raposa. Aos 18 anos, o defensor foi alçado ao time principal no início da temporada e rapidamente ganhou espaço com o técnico Felipe Conceição.

Após ser titular na estreia do time celeste no Mineiro, no empate em 1 a 1 com o Uberlândia, o jogador foi acionado novamente no triunfo sobre o Coimbra. Ambas as vezes substituindo Ramon ou Manoel, então dupla de zaga titular. Entretanto, a prova de fogo para Weverton veio no clássico. Na véspera do confronto, Manoel manifestou o desejo de deixar o Cruzeiro e ficou de fora da relação.

Escolhido para iniciar jogando diante do maior rival, badalado pelo alto investimento no elenco, o jovem defensor, de 1,82 metro, correspondeu. Com atuação segura, ajudou o sistema defensivo da Raposa anular o ataque do Atlético na maior parte do confronto.

Um dia após o triunfo, Weverton revelou a sensação após saber que iria iniciar jogando o confronto.

“Na verdade, foi bem difícil na parte mental. Eu estava muito ansioso, mas a gente foi levando, foi indo e graças a Deus deu tudo certo”, disse o jogador, em entrevista vinculada pelas mídias oficiais da Raposa, nesta segunda.

O camisa 34 também comentou sobre a rapidez com que as coisas vêm acontecendo neste início de carreira.

“É igual os treinadores da base falavam, com jogador de futebol tudo é muito rápido. Um dia você pode estar em cima, outro dia pode estar em baixo. O que aconteceu comigo, há dois meses eu estava no sub-18, acabado de subir para o sub-20, e agora estou estreando no profissional”.

Conselhos  

Um dos caçulas do time, Weverton comentou ainda sobre os conselhos que recebeu dos jogadores mais rodados do elenco. “Praticamente todos os mais experientes falaram comigo. O Manoel, Ramon, Brock (Eduardo), principalmente. Passaram muita confiança, pediram para ter calma, fazer o simples, que tudo ia sair bem, que eu iria jogar bem e foi o que aconteceu”.

Por fim, o zagueiro comemorou o triunfo no clássico, mostrando confiança para a sequência da temporada.

“Graças a Deus conseguimos o resultado positivo, não teria melhor maneira de estrear no clássico desse tamanho, no profissional. Muito feliz, muito mais motivado para seguir o ano batalhando, lutando”.

Após a vitória sobre o maior rival, a Raposa muda o foco e passa a pensar na Copa do Brasil. Provavelmente com o Weverton entre os titulares, o time celeste vai enfrentar no América-RN, nesta quarta (14), às 21h30, na Arena das Dunas, em Natal, pela segunda fase do torneio.

Por ser um confronto de jogo único, o vencedor leva a vaga. Em caso de empate no tempo normal, a classificação será decidida na disputa de pênaltis.

Leia Mais:
Reabilitação, 1º lugar e teste para Libertadores: duelo com o Boa ganha importância para o Atlético
Igor Rabello recebe terceiro cartão amarelo e abre caminho para retorno de Réver contra o Boa
No Brasil, clássico elite x rebaixado é equilibrado; em Minas, time da Série B nunca tinha vencido