Sérgio Santos Rodrigues vive seu pior momento nos seus 500 dias como presidente do Cruzeiro.

A greve iniciada nessa quinta-feira (13) por jogadores do time principal, atletas de base e funcionários do clube escancarou a pressão que o dirigente atravessa de praticamente todos os núcleos que envolvem a instituição.

Além da insatisfação dos jogadores com os recorrentes atrasos salariais, Santos Rodrigues tem os demais colaboradores, que trabalham desde as Tocas I e II, departamento de base e administrativo, aderindo em sua maioria ao protesto.

Das arquibancadas, as cobranças que já eram fortes em razão do mal desempenho do time em campo, se intensificaram com os torcedores respaldando o movimento de greve.

Já o Conselho Deliberativo da Raposa, por meio de seu presidente Nagib Simões, ainda não se posicionou pró ou contra a paralisação, nem mesmo sobre as críticas a Sérgio Rodrigues.

Patrocinador

Outra aresta que precisa ser aparada urgentemente por Sérgio Santos Rodrigues para viabilizar sua permanência no cargo é o afastamento de Pedro Lourenço, principal patrocinador e parceiro do clube.

Responsável por “socorrer” a diretoria com recursos para quitar salários e demais dívidas, Lourenço fez duras críticas à gestão de Sérgio recentemente, exigindo mudanças no departamento de futebol.

Em demonstração de que deseja que o atual presidente não seja preponderante na gestão do departamento de futebol, Pedro se reuniu com o técnico Vanderlei Luxemburgo há onze dias - sem a presença de Santos Rodrigues - para tratar sobre o planejamento da próxima temporada.

“Vou falar amanhã”

Mais de 24 horas depois da confirmação da paralisação dos jogadores, o presidente do Cruzeiro desembarcou na tarde dessa quinta-feira no Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, retornando de uma viagem a Portugal, onde ministrou uma palestra sobre gestão do futebol.

O mandatário não comentou a respeito da greve dos atletas, afirmando que vai se manifestar nesta sexta-feira.

Certo é, que independentemente do tom deu seu posicionamento, Sérgio precisará de mais do que bons argumentos para justificar a crise. Para continuar à frente do clube estrelado até o final de seu mandato, em 2023, terá de apresentar soluções para um dos momentos mais tristes da centenária história do Cruzeiro.

Leia mais
Jogadores do Cruzeiro não se reapresentam na Toca da Raposa e iniciam paralisação
Do presidente ao Conselho, dirigentes do Cruzeiro seguem em silêncio 24 horas após anúncio de greve
Dois 'Cruzeiros': clube idealizado por Santos Rodrigues é a antítese da realidade na Toca II