Um golpe maior do que a queda para Série B às vésperas de comemorar 100 anos, só mesmo passar todo o centenário, comemorado no último dia 2, na Segunda Divisão do Campeonato Brasileiro. E isso pode ser matemático para o Cruzeiro neste sábado, quando enfrenta o Juventude, às 19h, no Estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul, pela 35ª rodada.

Cruzeiro festa centenárioCruzeiro corre o risco de ter neste sábado sua permanência na Série B decretada matematicamente

Oito pontos separam a Raposa do G-4, grupo que garante vaga na próxima Série A, e ele iniciou a rodada com os mesmos oito de vantagem em relação à zona de rebaixamento.

Se perder para o Juventude, a Raposa estará matematicamente sem chances de seguir sonhando com as remotas probabilidades  de acesso.
Em caso de empate, isso acontece se o CSA tiver vencido o Avaí em partida que será disputada às 16h30, no Estádio Rei Pelé, em Maceió.

Rebaixamento

Com os 44 pontos que já tem, são muito remotas as chances de queda do Cruzeiro para a Série C, o que chegou a ser temido antes da chegada de Luiz Felipe Scolari à Toca da Raposa II.

Segundo o site Probabilidades no Futebol, com essa pontuação são de apenas 13,4% as chances de descenso.

Além disso, nas últimas oito edições da Série B do Campeonato Brasileiro, em apenas uma delas, em 2017, 44 pontos não foram suficientes para um clube se salvar. Mesmo assim, a marca ficou em 45.

Outro ponto que mostra a segurança dos 44 pontos para não se cair é o fato de que o aproveitamento do Paraná, que é 17º colocado e abre a zona de rebaixamento, projetado para 38 rodadas, dá 40.

Na história

Assim, o Cruzeiro, que sempre foi marcado pelas taças que conquistou, caminha para entrar na história do futebol brasileiro como o primeiro grande clube que caiu para a Série B, na Era dos Pontos Corridos, e não conseguiu retornar de cara.

Já passaram pela Segunda Divisão nacional, desde 2006, Atlético, Corinthians, Vasco (três vezes), Botafogo e Internacional. E na temporada seguinte eles estavam de volta à Série A.

O que poderia surgir como defesa cruzeirense é o fato de ele ser o primeiro grande rebaixado que não tem no primeiro ano da Série B a mesma cota de televisão que teria na elite.

Até o Internacional, último a cair antes da Raposa, e que jogou a Segundona em 2017, esta regra valia.

Por outro lado, o grupo de jogadores cruzeirense é o mais caro desta Série B.

E isso evidencia a falha do projeto futebol do clube, comandado pelo presidente Sérgio Santos Rodrigues e pelo diretor de futebol Deivid, o que deve obrigar o Cruzeiro a repetir a Série B no ano do centenário.