Mesmo após um ano do acidente de Michael Schumacher, questões ainda são levantadas sobre o que pode ter ocorrido de errado enquanto o ex-piloto esquiava em Méribel, na França. Com a pista não havia nenhum problema. Pelo menos é o que diz Jean-Louis Leger-Mattei, o diretor da Alpina, empresa responsável pela estação.
 
Em entrevista ao jornal alemão Bild, o diretor isenta a estrutura da pista de esqui pelo acidente grave sofrido pelo heptacampeão do Mundial de Fórmula 1, no dia 29 de dezembro do ano passado. Segundo Jean-Louis, “o que aconteceu com Michael Schumacher foi há muito tempo e não foi nossa culpa”.
 
Ainda de acordo com a publicação germânica, não foram colocadas grades para separar as pistas do local onde Schumacher se acidentou. O diretor defendeu a pista argumentando que o ex-piloto foi praticar o esqui onde não era permitido e que não ocorreram mais acidentes no local.
 
No começo deste ano, uma promotoria, responsável por Méribel, investigou o acidente sofrido por Michael Schumacher e declarou o caso como fatalidade, isentando tanto a estação quanto os equipamentos usados pelo germânico.
 
Schumacher se desequilibrou e bateu com a cabeça em uma pedra, sofrendo traumatismo craniano grave. Para aliviar a pressão no local ferido, o heptacampeão foi submetido ao coma induzido e ficou internado por nove meses em dois hospitais. No início de setembro, o alemão foi transferido para sua casa, na cidade suíça de Gland, a fim de dar sequência ao seu tratamento.