Total apoio da cúpula do Cruzeiro ao técnico Rogério Ceni. Assim foi a tônica da entrevista coletiva de Marcelo Djian, na tarde desta terça-feira (10), em meio a protestos que aconteciam em frente à Toca II. O diretor de futebol garantiu que o treinador terá liberdade para montar a equipe que considera ideal e que ninguém dará “pitaco” na escalação.

“Tive todas as conversas com ele (Rogério Ceni). Disse que teria respaldo total da diretoria. Desde janeiro de 2018, nunca opinamos nada da equipe do Mano Menezes e não será agora com Rogerio Ceni que o faremos. Ele pode fazer as modificações que quiser, se assim achar necessário. E tem todo apoio nosso”, argumentou Djian.

O dirigente está ciente de que a torcida está desesperada com o atual momento vivido pela equipe e na bronca com a diretoria e jogadores como Thiago Neves, Edilson e tantos outros.

“Descontentamento e decepção são por parte de todos. Mas vamos tentar conseguir, contra o Palmeiras, um grande resultado para que possamos terminar o primeiro turno (do Brasileiro) com uma vitória”, completou ele, referindo-se ao duelo deste sábado (14), às 19h, no Allianz Parque, pela 19ª rodada da Série A.

“De olho”

Torcida organizadas do Cruzeiro prometem “ficar de olho” em jogadores que estiverem “curtindo a noite” durante esse período negativo vivido pelo clube. Mas Djian garante que os atletas da Raposa estão empenhados em tirar o time dessa incômoda situação.

“Há a cobrança da torcida, que é normal, em virtude dos resultados negativos (do time). Tínhamos uma ideia de vencer a Copa do Brasil e até mesmo a Libertadores. Mas temos um grupo de profissionais bastante sério. Um atleta tem que saber a hora certa de beber sua cerveja e fazer churrasco com amigos. E aqui temos um grupo profissional”, disse o diretor de futebol.