As negociações do São Paulo para contratar Daniel Alves começaram em junho, se intensificaram durante a disputa da Copa América e não envolveram apenas o clube e o lateral-direito. Enquanto conversavam com o jogador e seu empresário, os dirigentes do São Paulo também buscavam empresas que ajudassem a pagar parte dos salários do lateral de 36 anos. O jogador foi confirmado pelo clube na noite de quinta-feira.

O projeto envolve ações de marketing dos parceiros do São Paulo com o jogador. O clube acredita que boa parte dos salários de Daniel Alves será paga com essas ações. Embora já tenha conseguido parceiros, os cartolas ainda buscam outras empresas interessadas. O diretor executivo de futebol Raí esteve à frente das negociações no Brasil e no exterior.

Os dirigentes acreditam que poderiam bancar a operação envolvendo Daniel Alves mesmo sem os parceiros. Recentemente, porém, o São Paulo chegou a atrasar pagamentos de parte do elenco, pegou empréstimos em bancos e contou com o empresário André Cury para contratar o atacante Raniel. O agente pagou à vista para o Cruzeiro e receberá de forma parcelada do São Paulo, com juros.

No caso de Daniel Alves, o clube acredita que a operação poderia ser bancada por conta do aumento de receitas com ações de marketing, público no Morumbi e venda de camisas (o lateral vestirá a 10). Além disso, há a confiança de que a equipe brigará por títulos e consequentemente receberá premiações melhores nos campeonatos.

Internamente, também foi comemorada a repercussão no exterior da contratação de Daniel Alves. O lateral atuou por 17 anos na Europa e foi manchete nos principais jornais do mundo. Há a expectativa de que apareçam novas empresas interessadas em patrocinar o clube. O jogador será apresentado na semana que vem, no Morumbi.

Leia mais:

Por Copa, Daniel Alves muda planos e volta ao Brasil após 17 anos