Há males que vem para o bem. Esta velha máxima se encaixa perfeitamente na vida da fisiculturista Val Almeida. Foi após uma traição de um ex-namorado, que a mineira, de 38 anos, resolveu cuidar da saúde e dar um upgrade na auto-estima.

Profissional há pouco mais de um ano, ela já encarou de frente três competições: o Campeonato Mineiro de Estreantes, no qual ficou em primeiro lugar, o Campeonato Mineiro, onde terminou na terceira colocação, e, finalmente, o Brasileiro. No Nacional, Val ficou em sétimo lugar, numa disputa que envolveu outras 29 atletas.

"Eu era bem magra. Meu manequim era 34. Meu sonho na época era ficar com as pernas grossas e o bumbum grande (risos)", conta a fisiculturista.  Ela compete na categoria Wellness, na qual as mulheres não ficam musculosas.

Contudo, o que mais chama a atenção é o tempo que Val precisou para conseguir competir de igual para igual com as concorrentes. Para a disputa, ela se dedicou intensamente durante 180 dias. "Foram seis meses de dieta e treinos diários", relata.

Com a ajuda do atual marido, que é educador físico, e com o apoio do filho Nikkolas, de 18 anos, Val espera evoluir na modalidade e ser destaque no país. Deixando o desejo de ser 'gostosa' de lado, a fisiculturista só pensa em evoluir o corpo nos moldes atléticos.

“Essa é uma categoria mais leve, a nossa intensão não é ter mais músculos em uma parte do corpo que em outra, pelo contrário, o corpo é bem estrutura e bem feminino. A avaliação feita nas competições é uma mistura de corpo, beleza e simpatia da mulher", explica a competidora.

Para as mulheres que enfrentam problemas conjugais ou outros que afetam a auto-estima, ela deixa um recado: "Elas não devem esperar uma traição para mudar o estilo de vida. Isso tem que ser feito, primeiramente, por amor próprio", diz.