O próximo compromisso da Seleção Brasileira nas Eliminatórias é o maior clássico sul-americano, contra a Argentina, dia 13 de novembro, no Estádio Monumental de Núñez, em Buenos Aires, pela terceira rodada da competição.

A partida terá a marca da pressão, pois o Brasil vive um momento ruim e com a Argentina não é diferente, pois o time de Gerardo Martino, que estreou sendo derrotado dentro de casa pelo Equador, por 2 a 0, ainda não venceu nestas Eliminatórias, pois nesta terça-feira (13) ficou no 0 a 0 com o Paraguai, no Defensores del Chaco, em Assunção.

No início da entrevista coletiva após os 3 a 1 sobre a Venezuela, Dunga tentou evitar falar do confronto. “Agora quero descansar, acabamos de fazer jogo importante. A partir de amanhã vamos começar a pensar na Argentina”, foi a primeira resposta do treinador.

Depois, ele evidenciou ter a noção exata de tudo o que vai cercar o confronto do dia 13 de novembro, em Buenos Aires. “Independentemente dos resultados, Brasil e Argentina é um campeonto à parte. Complicado como sempre foi. Lógico que eles vão ter prssão, como a gente também. Brasil e Argentina, quando ganham, é normal, quando perdem, parece que vai cair o mundo”, garante Dunga.

No confronto diante dos argentinos, Dunga contará com a volta de Neymar, que cumpriu nesta terça-feira (13) o último dos quatro jogos de suspensão pela expulsão diante da Colômbia, na Copa América. E deixou em aberto a possibilidade de jogar sem um jogador de referência no ataque. “Hoje teve centroavante, contra a Argentina, tem que esperar, pode ter contusão, analisar o adversário, esperar a nova convocação”, afirma o treinador.