Apesar de voltar todas as atenções para o Campeonato Brasileiro, competição na qual acumula três derrotas consecutivas e encara o Botafogo, domingo (8), o Atlético vê o clima para os embates contra o Colón, da Argentina, começar a esquentar. As duas equipes brigarão por uma vaga na final da Copa Sul-Americana a partir do dia 19.

Apaixonado pelo clube da província de Santa Fé e morador do bairro Centenário, o torcedor Alejandro Bergero, de 24 anos, também nutre carinho especial pelo alvinegro. Massagista da equipe de basquete do time argentino e ex-soldado militar, ele passou a admirar e também a acompanhar a equipe brasileira a partir de 2013, graças à presença do ídolo Ronaldinho, camisa 10 na campanha da inédita conquista da Copa Libertadores.

"Moro a duas quadras do nosso estádio (Cemitério dos Elefantes) e sou apaixonado por Colón. Fui ao Brasil, de férias, durante a Copa América, e realizei o sonho de conhecer o país. Por sorte, vamos enfrentar a ex-equipe do Ronaldinho. O Atlético é um clube grande do Brasil e, para melhorar, poderei conhecer Belo Horizonte e o Mineirão no segundo jogo", conta Alejandro ao Hoje em Dia.

"O amor que tenho por meu clube é imenso. Temos uma história gigante. A nossa torcida é muito apaixonada. Somos muito respeitados no país, pois temos capítulos importantes, como ter eliminado o São Paulo no ano passado, ter vencido o Santos de Pelé e também a nossa própria seleção, dentro do nosso estádio", acrescenta.

Ansioso para que a bola role logo, Bergero afirma que, em Santa Fé, os torcedores atleticanos serão bem recebidos e respeitados; além da tranquilidade garantida pelo efetivo policial. Na volta, uma semana depois, crê que, assim como fizeram no Morumbi, em 2018, os torcedores do Colón comparecerão em grande número ao Gigante da Pampulha.

"Seria um sonho tirar uma foto com Vinícius (Vina) e com os outros jogadores do Atlético Mineiro. Quero ir ao hotel para conhecê-los", finaliza.