Um bom rendimento com a camisa atleticana será fundamental para o meia Thiago Neves, que deve reforçar o Atlético a pedido de Jorge Sampaoli, informação de Cadu Doné, da Rádio Itatiaia, não apenas pelo contrato por produtividade que o jogador assinará até o final do Brasileirão. Isso será fundamental também para ele mudar a opinião da maioria esmagadora da torcida alvinegra, que é contra a sua chegada à Cidade do Galo.

Minutos após a notícia da contratação do atleta, que nesta segunda-feira (14) rescindiu seu contrato com o Grêmio, as redes sociais explodiram com a indignação da Massa.

Thiago NevesA pedido de Jorge Sampaoli, Thiago Neves pode reforçar o Atlético no restante do Campeonato Brasileiro

O fato de ele ter sido indicado pelo técnico Jorge Sampaoli, que conta com grande prestígio com a torcida atleticana, não serviu para diminuir a repercussão negativa.

A hashtag #ThiagoNevesNão passou a bombar no Twitter, assim como "Fala, Zezé!" virou assunto na rede. Este é o início de um áudio do jogador para Zezé Perrella, que comandava o futebol do Cruzeiro no final do ano passado, num momento em que o clube já vivia grave crise e a queda para a Série B estava encaminhada.

Torcidas organizadas soltaram notas contrárias à contratação de Thiago Neves. Vídeos do jogador cantando músicas xingando o Atlético tomaram as redes.

Foi lembrada ainda uma brincadeira infeliz feita pelo meia no início de 2019, logo após a tragédia de Brumadinho. Ele publicou no Instagram uma imagem do morro da Cidade do Galo fazendo referência à queda do Atlético em 2005.

Thiago Neves colocou um rebaixamento no currículo e, se chegar ao Atlético, terá um grande desafio, que é conquistar a confiança da torcida atleticana.

História

Não é a primeira vez que o Atlético faz uma contratação de um jogador que a torcida não gosta. Isso aconteceu de forma mais forte antes em 1980, quando Elias Kalil e Procópio Cardozo montavam o grande time que foi vice-campeão brasileiro naquela temporada.

O treinador queria usar Toninho Cerezo mais adiantado, e o primeiro volante contratado foi Chicão, ex-São Paulo, que tinha sido “carrasco” atleticano na decisão do Campeonato Brasileiro de 1977, em março de 1978.

No jogo decisivo, disputado no Mineirão, ele pisou na perna de Ângelo quando o meia atleticano se arrastava no gramado, contundido.

Chegou Atlético, teve uma grande passagem, foi campeão mineiro em 1980 e expulso nos dois jogos polêmicos contra o Flamengo, a final do Campeonato Brasileiro de 1980, no Maracanã, e a partida inacabada na Copa Libertadores de 1981, no Serra Dourada.

Não existiam redes sociais, nem Chicão tinha a rejeição demonstrada a Thiago Neves. De toda forma, a história do ex-volante não deixa de ser inspiração para aquele que deve ser o camisa 10 do Galo de Jorge Sampaoli.