Quase três meses após a estreia na temporada, o Atlético põe a prova o futuro em duas das quatro competições que vai disputar no ano.

Nesta quarta-feira (10), às 19h15, a equipe alvinegra enfrenta o Cerro Porteño, do Paraguai, no estádio Nueva Olla, em Assunção, em duelo fundamental para as pretensões do time na Copa Libertadores.

Já no fim de semana, o Galo vai fazer o primeiro duelo da final do Campeonato Mineiro, contra o Cruzeiro, às 16h, no Mineirão.

Em terceiro lugar no grupo B do principal torneio de clubes do continente, com três pontos em três jogos, o time comandado pelo técnico Levir Culpi precisa deixar a capital paraguaia com um bom resultado, para continuar sonhando com uma vaga na próxima fase sem depender de outros resultados.

Em meio ao período de decisões, o volante Elias, que recuperou espaço no time titular nas últimas partidas, destacou a importância e o diferencial de atletas que estão acostumados a confrontos com esse peso.

“Tem jogadores que gostam disso, nasceram para isso. Ao longo da minha carreira consegui fazer grandes jogos em decisões. Fico feliz, é um período que gosto de jogar. Estou muito bem fisicamente e tecnicamente. Espero que a gente consiga fazer grandes jogos”, afirmou o volane de 33 anos, em entrevista coletiva no Paraguai.

Em relação ao resultado diante do Cerro, o volante destacou que o intuito é somar os três pontos em Assunção, mas avaliou que um ponto conquistado contra um rival direto também pode ser vantajoso na briga por uma vaga à próxima fase. 

“A gente tem que ter consciência. A vitória é mais importante, pela situação do grupo. Só que um empate, dependendo dos outros resultados é bom. A gente vai em busca da vitória para não deixar o Cerro Porteño não possa caminhar lá na frente sozinho. A gente sabe que é importante vencer aqui. Vai ser um jogo muito duro, muito difícil, e a gente vai ter que estar muito preparado para conquistar os três pontos”.

Na luta pela classificação, o Atlético ocupa a terceira colocação do grupo, atrás do Cerro, que tem nove pontos, e do Nacional, do Uruguai, que tem seis pontos. O outro integrante da chave é o Zamora, da Venezuela, que ainda não pontuou no campeonato.

*Enviado especial ao Paraguai