conselho deliberativo, Cruzeiro


O departamento jurídico do Cruzeiro tenta fazer valer na Justiça uma decisão interna do clube: a expulsão de 30 conselheiros do Conselho Deliberativo celeste por receberem remuneração durante a gestão Wagner Pires de Sá, prática proibida pelo estatuto cruzeirense. Em recurso contra a decisão inicial que suspendeu essas expulsões, os advogados da Raposa revelaram gastos mensais com pagamentos aos membros do Conselho. O valor desses repasses ultrapassa meio milhão de Reais. 

Segundo relação do próprio Cruzeiro, 28 conselheiros juntos custaram aos cofres do clube em um único mês o equivalente a R$ 508.848,32. Esse valor não é o exato dispendido para pagamento de todos os integrantes do Conselho que foram remunerados. É que nomes de dois integrantes não constam em recursos enviados pelo próprio clube à Justiça. 

Dos não citados um ainda não tentou por métodos judiciais anular a decisão de expulsão, já o outro, mesmo na lista dos expulsos, não consta na relação emitida pelo Cruzeiro. 

Os recursos dos advogados da Raposa para tentarem anular a suspensão das expulsões foram enviados à 29ª Vara Cível de Belo Horizonte à 13ª Câmara Cível da capital. 

Remunerações

Os pagamentos aos conselheiros eram feitos em condições diferentes, alguns receberam valores mais altos do que outros. A maior remuneração paga foi de R$ 125 mil e a menor R$ 2 mil.

Na lista de pagamentos os valores eram diversificados e com salários - quase todos - que não atingiam três dígitos, mas se destacavam pela quantia. Houve conselheiro que recebeu R$ 40 mil como remuneração mensal, R$ 20 mil, R$ 19 mil, R$ 14 mil, R$ 12 mil (veja a relação abaixo).

Como já havia revelado o site Uol em outubro de 2019, o conselheiro Gustavo Perrella recebeu R$ 190 mil por serviços de consultoria para "profissionalização da gestão financeira" no Cruzeiro. Esse valor foi pago em duas parcelas de R$ 95 mil e consta na soma apresentada pelo Hoje em Dia, apesar do filho do ex-presidente Zezé Perrella ainda aguardar decisão de sua ação na Justiça.

O montante mensal gasto pelo Cruzeiro tinha sido aventado pelo Globoeporte em abril. 

Proibido pelo estatuto

Segundo o Artigo 18 do Estatuto do Cruzeiro a remuneração de conselheiros, seja ela em forma de pagamentos via pessoa jurídica ou CLT, é uma infração às regras do Clube. 

Trechos do Estatuto do Cruzeiro Esporte Clube

Art. 18 - Perderá o mandato o associado Conselheiro Nato, Conselheiro ou Suplente de Conselheiro que: 
(...)
§ 3º O Associado Conselheiro Nato e Associado Conselheiro, contratado como empregado do Clube, perde o mandato e o suplente de 
Conselheiro será excluído do quadro de suplência.

Art.19
(...)
§ 2º É vedada a remuneração dos membros da Mesa Diretora do Conselho Deliberativo e de Conselheiro do Cruzeiro Esporte Clube.

Valor das remunerações*

R$ 125 mil - 1
R$ 95 mil - 1
R$ 40 mil - 1
R$ 20 mil - 2
R$ 19 mil - 1
R$ 14,2 mil - 1
R$ 14 mil - 1
R$ 13 mil - 1
R$ 12,3 mil - 1
R$ 12 mil - 2
R$ 11,7 mil - 1
R$ 11 mil - 2
R$ 10 mil - 1
R$ 8 mil - 4
R$ 7 mil - 1
R$ 6 mil - 1
R$ 5,5 mil - 1
R$ 4 mil - 4
R$ 2 mil - 1

*Para cada valor citado há o numeral correspondente de quantos conselheiros recebiam tal quantia