A perda do Campeonato Mineiro para o Cruzeiro e a eliminação precoce na Copa Libertadores, sacramentada com a derrota por 1 a 0 para o Nacional, do Uruguai, na última terça-feira (23), no Mineirão, ainda repercute no Atlético.

Escalado pela assessoria de comunicação do clube para conceder entrevista coletiva, nessa quarta, na Cidade do Galo, o atacante Geuvânio – que não estava inscrito na competição continental – comentou sobre o momento conturbado vivido pelo Galo, e foi incisivo em relação a postura que o grupo de jogadores deve adotar em meio a crise que o time atravessa.

“Todo atleta está apto a errar. Até o melhor do mundo vai errar. Temos que estudar nossos erros, vê o que pode melhorar e, em cima das nossas qualidades, aperfeiçoar mais ainda e se fechar. Quem quiser ficar, que fique, quem não quiser, que saia. Temos que nos fechar, dar a cara a tapa, ser homem e assumir a responsabilidade. Estamos em um grande clube. Vim para ajudar e quero dar o meu melhor. Se precisar de mim, em qualquer posição, quero jogar, quero ajudar”, disse o jogador, que promete lutar pela vitória sempre com a camisa do Galo”.

Novamente à disposição do técnico interino Rodrigo Santana, Geuvânio deve retornar ao time titular na estreia do Atlético no Campeonato Brasileiro, contra o Avaí, no sábado, às 19h, no Independência.

Em relação ao futuro do time na temporada, o atacante pregou união, e garantiu empenho para que a equipe reencontre o caminho das vitórias.

“Vamos nos fechar. Todo mundo é homem e vamos dar o nosso melhor. Temos a nossa família e não quero ir na rua e não poder passear. Vou dar o meu melhor, o meu máximo. Nunca vou sair de campo sem correr. Enquanto eu tiver forças, vou continuar lutando. Creio que todos têm o mesmo pensamento que eu”, completou.