A Williams chega ao Circuito das Américas com um objetivo claro. A equipe quer aproveitar a prova no Circuito das Américas para ampliar a sua vantagem no Mundial de Construtores para a Red Bull, com a intenção de ficar ainda mais perto de garantir o terceiro lugar ao fim da temporada 2015 da Fórmula 1.

Após 15 das 19 provas previstas, a Williams está atrás de Mercedes e Ferrari na classificação, com 220 pontos e uma vantagem de 71 para a Red Bull. "Precisamos seguir abrindo uma vantagem para a Red Bull e a equipe deve continuar lutando para conquistar tantos pontos quanto possível", afirmou Rob Smedley, chefe de performance da Williams.

Apesar de ter um carro competitivo na prova anterior, o GP da Rússia, a equipe teve um desempenho abaixo do desejado, com o brasileiro Felipe Massa sendo o quarto colocado, enquanto o finlandês Valtteri Bottas abandonou a prova depois de um bom treino de classificação, em que garantiu o terceiro lugar no grid.

"Nós vamos para Austin depois de não conseguir todos os pontos que deveríamos ter feito na Rússia, apesar de ter um carro realmente bom, com grande ritmo. Estamos em um estado de espírito positivo e o circuito combina com o nosso carro, de modo que devemos fazer uma boa corrida", completou o engenheiro.

Em sexto lugar no campeonato, Massa chega motivado ao GP dos Estados Unidos. O brasileiro classificou o circuito como divertido, elogiou o apoio recebido dos fãs norte-americanos e destacou os vários pontos de ultrapassagem do traçado.

"Austin é um lugar bonito, com um grande circuito, que tem uma infraestrutura fantástica. O circuito é muito divertido de pilotar, com muitas curvas rápidas. O primeiro setor é incrível, levando para uma longa reta com oportunidade para ultrapassagens. A primeira curva é especial, a mudança de elevação é incrível e o espaço disponível significa que é um ótimo lugar para passar e é difícil de se defender. Os fãs realmente gostam de Formula 1 e os pilotos gostam de ir lá", comentou Massa.