O Cruzeiro não acreditou, o Uberlândia o recebeu através de parceria com a Raposa, mas o Goiás apostou e o Wolfsburg começa a colher os frutos do investimento de quase R$ 20 milhões. Bruno Henrique, o jovem belo-horizontino de 25 anos, curtiu o primeiro dia de fama no futebol europeu. Destaque da vitória por 2 a 0 contra o Real Madrid, na última quarta-feira (6), o camisa 16 só ficou sabendo que iria ser titular - pela primeira vez - na hora do almoço.

A notícia do técnico Dieter Hecking poderia tirar o apetite de muitos jogadores. Mas, para quem encarou o obstáculos do futebol amador da capital mineira até os 21 anos, o melhor torneio interclubes no mundo não é capaz de criar enfermidades.

"Recebi a notícia após o almoço, e encarei com naturalidade, estava esperando meu momento. Todos que estão no futebol lutam para chegar em um objetivo e não é fácil para ninguém, e comigo não está sendo diferente", disse o jogador, ao Hoje em Dia.

Bruno, que está na Alemanha ao lado do empresário Dênis Ricardo (ex-zagueiro de América, Botafogo e Sporting Cristal-PER, entre outros), ainda não teve tempo para aproveitar os holofotes virados para o seu nome nas últimas horas.

"Não deu tempo nem para perceber, pois já treinei hoje e estou descansando em casa", completou o jogador, que, após vencer a Copa Itatiaia em 2012, foi contratado pelo Cruzeiro:

"Não teve passagem no Cruzeiro. Pois fui contratado e imediatamente emprestado ao Uberlândia".

Do Uberlândia, porém, o jogador não ficou tanto tempo. Após construir uma fama de atacante perigoso, chamou a atenção do Itumbiara-GO. Se destacou no Estadual de Goiás e foi contratado pelo maior time da região. 

Passou a temporada de 2015 no Goiás e numa das duas vindas a BH, pelo Campeonato Brasileiro, foi um dos melhores em campo no empate em 2 a 2 contra o Atlético, em pleno Independência, marcando o segundo gol do time alviverde.

O jogador foi contratado pelo Wolfsburg em janeiro. Era o plano B da equipe alemã. Os Lobos tinham bala na agulha e, depois de eliminar o Manchester United da Champions League, sendo líder do grupo, cresceu o olho em Clayton, 20 anos, hoje no Atlético. Não deu certo e o jeito foi pagar 4,5 milhões de euros. 

Fez a estreia como titular no primeiro confronto das oitavas da UCL. Jogou 80 minutos de uma assistência para o segundo gol. Jogando como ponta-direita, impressionou o treinador, que o usou como arma secreta no duelo contra os espanhóis.