Chamar a Lagoa dos Ingleses de segunda casa não é nenhum exagero para a equipe britânica de canoagem. O nome do local é uma referência à forte ligação de Nova Lima com a Inglaterra. Há duas semanas treinando nas águas do município da Região Metropolitana de Belo Horizonte para a Olimpíada do Rio de Janeiro, em 2016, os atletas esperam que o esforço os ajude a melhorar o resultado de Londres, em 2012, quando conquistaram quatro medalhas na canoagem, sendo um ouro e um bronze nas provas de corrida.

Campeão nos Jogos Olímpicos de Londres, na prova de K-1/200m, Edward McKeever não vê a hora de brigar por mais uma medalha. “Tudo que estamos fazendo hoje fará diferença lá na frente. Nosso esporte pode ser decidido em alguns milésimos de segundo. Então, se estamos aqui nos aclimatando e treinando em um ambiente parecido com o que vamos enfrentar na Olimpíada, tenho certeza que isso irá ajudar”, avalia.

Chamado de “Usain Bolt das canoas”, já que a prova que disputa é a mais rápida da categoria, McKeever luta pelo bicampeonato olímpico. “Algumas pessoas brincam me chamando assim. Espero repetir o feito dele (Bolt) e conquistar mais uma medalha de ouro olímpica”, diz.

Além do campeão olímpico, estão treinando na Lagoa dos Ingleses Liam Heath e Jonathan Schofield (medalhistas de bronze em Londres), Louisa Sawers (campeã mundial em 2014), Kristian Reeves, Jonathan Boynton, Ed Rutherford, Rachel Cawthorn, Hannah Brown, Angela Hannah, Jessica Walker, Lani Belcher, Hayleigh Mason e Rebeka Simon.

INVERNO EUROPEU

O treinador principal da equipe, Scott Gardner, destaca outra vantagem que os atletas vão tirar deste período de treinamento em Nova Lima.

“Aqui o clima é perfeito, podemos acordar, treinar, almoçar, dormir, malhar e, antes de anoitecer, treinar mais um pouco. Nesta época do ano, isso seria impossível se ficássemos na Inglaterra. Enquanto grande parte das equipes de canoagem está parada, devido ao inverno europeu, nós estamos mantendo a forma”, explica Scott.

A equipe britânica de canoagem permanece treinando no local até o dia 25, mas já tem agendadas mais duas vindas para treinamentos na Lagoa dos Ingleses. A primeira será em agosto deste, e depois no início de 2016. “Temos que nos preparar o melhor possível, e nada melhor que treinar em um lugar tão próximo de onde vamos competir (no Rio de Janeiro)”, conclui Scott.

 

Reduto de britânicos com clima brasileiro

 

 

Influência de quase 200 anos estreita relação entre a Inglaterra e o esporte de Nova Lima

A relação de Minas Gerais, sobretudo de Nova Lima, com os ingleses, começou há quase 200 anos. “A influência política e econômica da corte inglesa é exercida desde o início do século XIX no Brasil e em Minas. Mas foi a partir de 1824 que a relação ficou mais estreita, com a vinda da Imperial Brazilían Mining Association para a região. Ela foi a primeira empresa inglesa a extrair o ouro e a se estabelecer nas Minas Gerais”, explica o historiador Ronaldo Carias. Segundo ele, até 1898, mais 18 companhias inglesas se instalaram em Nova Lima, aumentando a influência. Além da Lagoa dos Ingleses, batizada em homenagem à grande comunidade do país europeu, outro grande marco da passagem inglesa pela região foi a criação do Villa Nova Atlético Clube, em 1908, fundado por trabalhadores ingleses da Saint John Del Rey Mining Company Limited.