O treinador de Jessica Ennis-Hill, atual campeã olímpica de heptatlo, pediu para que a reta final da preparação dos atletas britânicos para os Jogos do Rio-2016 seja realizada fora do Brasil por causa da epidemia do vírus zika.

“Os treinadores são responsáveis pela saúde dos atletas, e eu não incentivaria ninguém a ir para lugares onde existem riscos a longo prazo”, declarou Toni Minichiello, em entrevista ao jornal The Times.

O técnico de Ennis-Hill ainda explicou que pretende abordar o assunto com Neil Black, diretor de desempenho da equipe olímpica britânica.

“Precisamos encontrar um local de treinamentos que minimiza os riscos, o que significa que deveríamos chegar ao país o mais tarde possível”, insistiu.

A preparação da equipe britânica está prevista para acontecer na região de Belo Horizonte, nas instalações do Centro Esportivo Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e do Minas Tênis Clube.

Apesar das preocupações de Minichiello, um porta-voz do Comitê Nacional Olímpico da Grã-Bretanha deixou claro que “o planejamento não sofreu mudanças, tanto para os Jogos quanto para a preparação.”

Ouvidos pelo Hoje em Dia, o Núcleo Minas 2016 do governo mineiro e o Minas Tênis Clube, responsáveis por organizar a recepção à delegação britânica, afirmaram desconhecer qualquer possibilidade de desistência.

Compasso de espera

Na última terça-feira (9), o presidente do Comitê Olímpico Queniano, Kipchoge Keino, deixou entender que os atletas podem ficar fora dos Jogos:
“A saúde dos nossos atletas é mais importante do que os Jogos. Vamos aguardar até o último minuto para tomar nossa decisão. Estamos nos baseando nos dados sanitários fornecidos de organizações baseadas no Rio para termos o máximo de informações possíveis”.

Na segunda-feira (8), o Comitê Olímpico dos Estados Unidos negou ter orientado os atletas americanos a não participar dos Jogos.