Quando Saskia Andrade de Vasconcelos, de 53 anos, tinha apenas sete de idade, viveu uma experiência marcante. A convite de uma amiga, ela teve a chance de fazer aulas de equitação, o que nunca saiu de sua memória. “Apaixonei-me. Nunca me esqueci e sempre quis voltar a fazer”, frisa a psicóloga, que transformou o sonho em realidade há 15 anos, com o hipismo. 
 
Para ela, a atividade vai além do exercício e domínio do cavalo. Saskia ressalta a importância do esporte para controlar a ansiedade. “ Na hora do salto fico ansiosa, ‘salto’ o obstáculo antes do cavalo. Nessa atividade, é preciso sintonia com o cavalo; dominá-lo e dominar a própria noção, a ansiedade, o medo. No momento do salto, as pessoas aprendem a saltar obstáculos na pista e na vida, pois há todo um preparo. Não se restringe só à pista; levo para vida como um todo”, comenta a psicóloga.
 
Saskia vê até uma conexão entre os momentos de da vida dela e as aulas de hipismo. “À medida que fui fazendo treinos, senti-me fortalecida no dia a dia. Quando tenho algum problema, me pego automaticamente pensando nos obstáculos para poder me fortalecer e me organizar. Quando estou na aula, olho para o obstáculo, sento direito; se o cavalo estiver perdido, perdemos o rumo do obstáculo. Em muitos momentos de minha vida, paro e penso nisso; deixa eu me centrar, sentar direito na minha vida, porque no impulso não consigo resolver isso”.
 
Com isso, Saskia diz que tem mais tranquilidade para enfrentar as situações do dia a dia. E os benefícios são tão bons para a psicóloga que ela chega a indicar o hipismo ao pacientes. 
 
“Isso me ajuda no dia a dia a enfrentar os desafios, os obstáculos, metaforicamente. Precisamos ter uma organização, um planejamento, um controle da situação, para enfrentar os desafios”, teoriza Saskia, que sonha ter um sítio e os próprios cavalos.
 
Osteoporose
 
Com a saúde em dia, a psicóloga argumenta que a atividade também faz bem para o corpo. “Toda vez que vou ao médico e falo que faço equitação, eles falam que não é esporte, que o cavalo que faz exercício. Mas acho que todo mundo deveria fazer. Trabalha muito a musculatura, tem um trabalho físico”, reforça ela, que também pontua o fato de praticar o exercício na parte da manhã, valorizando a importância do sol como cuidado básico para a prevenção da osteoporose.